quarta-feira, 11 de maio de 2016

Olha o frio! Olha a gripe e o resfriado! Como prevenir as doenças respiratórias de inverno nos pequeninos?

Sabe aquela criança que vive com o nariz entupido e no antibiótico? Essa era a Manu, minha caixa de remédios era maior que a minha despensa de comida, juro mesmo.


Fonte: Arquivo Pessoal.

Foi assim por dois anos, muitos antibióticos e algumas pneumonias até que conheci uma fisioterapeuta respiratória que mudou a minha vida. Ela me falou sem rodeios - “PREVENIR, esse é o único jeito de fazer sua filha parar de tomar tanto remédio”. Aham, até parece que é fácil né? O pior é que é, o negócio é que eu não sabia muito bem o que significava prevenir.

Além dos cuidados com a limpeza da mão, evitar lugares muitos fechados e se agasalhar, LAVAR O NARIZ diariamente e desobstruir as congestões nasais com aspiradores são essenciais para evitar o contágio ou que resfriados leves se tornem gripes sérias.

Para falar sobre isso com mais propriedade, fui bater um papo com dois especialistas, Rodrigo Eiiji Kato, especialista em fisioterapia cardiorrespiratória pelo Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e André Luis Moreira Sales, especialista em fisioterapia em UTI pela mesma faculdade.

A) Quais são os problemas respiratórios mais comuns no inverno?

Os problemas mais comuns são as infecções respiratórias. Entre as principais estão a gripe e o resfriado, que costumam ser confundidas. A gripe é causada somente pelo vírus influenza, enquanto os resfriados, por muitos outros, como o rinovírus.

A gripe é mais grave. Além da febre alta, há sintomas como coriza, mal-estar e dor no corpo. Lembrando que ela é altamente contagiosa e pode ser transmitida pela tosse, fala ou espirro.

No outono e inverno são muito comuns as infecções pelo vírus sincicial respiratório (VSR), causando epidemias nessa época do ano. O micro-organismo normalmente desenvolve um quadro de resfriado que inflama os bronquíolos e pode causar problemas graves em prematuros que nasceram com até sete meses de gestação e crianças menores de dois anos de idade que já possuem problemas cardíacos e/ou pulmonares.

A melhor maneira de se proteger da gripe é a vacinação que é anual, evitar aglomerações e lugares pouco arejados, além de lavar o nariz e limpar as obstruções nasais.

B) Alguma dica de ouro para evitar os contágios?

A limpeza nasal é pouco lembrada, mas é de extrema importância na prevenção e tratamento das diversas patologias nasais, como rinite, sinusite e resfriados.


Para remover as secreções de crianças menores e lactentes (que não sabem assuar o nariz), deve-se colocar instilar de 2ml a 5ml de solução fisiológica 0,9% em cada narina através de um seringa de 5 ou 10ml (depende do tamanho das narinas) e, com cuidado, usar uma haste de algodão para remover as secreções mais externas; nunca introduzir profundamente a haste.


Para crianças maiores, aquelas que já sabem assoar o nariz e compreendem bem as orientações/explicações dos pais como “assoe o nariz” ou “puxa pelo nariz as gotinhas de soro que a mamãe vai pingar”, podemos pedir para a mesma assoar levemente o nariz, após a lavagem com o soro (use seringa ou conta-gotas, na seringa de 20ml com solução fisiológica 0.9%, pelo menos 2x em cada narina no mínimo 3x/dia.

Em caso de obstrução nasal não se deve assuar o nariz com força, nesse caso, fluidificar bastante o muco instilando solução fisiológica 0.9% pelo menos 2x em cada narina no mínimo 3x/dia até perceber sinais de desobstrução.

Lavando o nariz das crianças:

Primeiramente, sempre explicar para a criança a importância da limpeza nasal, e como ela será feita e ser sincero, pode incomodar um pouco, mas o alivio é imediato. Aqueça o soro fisiológico até a temperatura corporal. Se for usar conta-gotas ou seringa deve-se inclinar a cabeça da criança para trás e injetar a dosagem prescrita do soro de uma só vez, para promover a limpeza. Não colocar o conta-gotas ou seringa novamente no frasco de soro (utilizar um copo). Pode-se repetir o procedimento até que a limpeza esteja completa.


C) Como funcionam os aspiradores nasais?



De forma efetiva, o aspirador nasal remove suavemente o excesso de secreção (muco) do nariz dos bebês. Uma vez que for identificada a obstrução nasal por excesso de secreção, o aspirador pode ser utilizado seguramente logo nas primeiras semanas de vida.
A utilização do aspirador nasal não vicia e de forma alguma fará com que a criança no futuro, não aprenda a assoar o nariz. O aparelho foi desenvolvido justamente para as crianças que ainda não sabem ou não aprenderam a assoar o nariz. Quando souberem, a utilização do aspirador nasal não é mais indicada.

A limpeza do aspirador é muito importante. Desconecte e lave todas as peças com sabão neutro e água quente. O filtro higiênico deverá ser descartado a cada uso. A importância do filtro é servir como barreira de contágio de quem está aspirando. Armazene o equipamento seco e em um local com temperatura ambiente. Certifique-se que todas as peças estejam secas para a próxima utilização.

Fonte:
Rodrigo Eiiji Kato - CREFITO 3 - 90078-F
Especialização em fisioterapia cardiorrespiratória pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
André Luis Moreira Sales - CREFITO 3 - 100241-F

Especialização em fisioterapia em UTI pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário