quarta-feira, 4 de março de 2015

Porque você não deve ter um filho

Eu já li inúmeros textos com todas as explicações possíveis sobre as belezas da maternidade, como muitas ouviram o chamado da cegonha e sobre a felicidade infinita que é ser mãe. Parece um conto de fadas né? Mas não é bem assim não...

IMG_0013

Eu amo ser mãe e sempre tive esse sonho, a Manuela era muito desejada por mim e pelo marido, mesmo não tendo sido totalmente planejada ela iluminou a nossas existências. Hoje nós sabemos que qualquer fase da nossa vida que ela viesse seria o momento certo.

Porém, mesmo esse sendo um ideal pessoal, eu sempre me senti coagida pela sociedade a ser mãe, como se essa fosse a missão de toda mulher e minha única escolha. Eu ouvia coisas como:

  • Você está ficando velha e vai demorar cada vez mais para conseguir engravidar.
  • Ainda sobre a idade ressaltavam a chance de eu ter um filho com problema.
  • Você vai se sentir sozinha no futuro se não tiver filhos. Quem vai cuidar de você?
  • Filho é o próximo passo depois de um casamento.
  • Mulher que se dedica a carreira não terá filhos ou será uma mãe ruim.
  • Quem não quer ter filhos odeia crianças.
  • Minha mãe e minha sogra diziam sempre como desejavam serem avós.
  • Todas as minhas amigas começaram a ter filhos e me diziam como eram seres especiais e superiores por terem se tornado mães.
  • E por fim, que só as mães sabem o que é amor.

Eu não sei, eu posso ser meio radical, mas sempre me guiei pela seguinte frase “a dúvida é a certeza do não e a falta de coragem de aceita-lo”. Se você deseja ser mãe, mas não sabe se esse é o momento certo OK, isso é supernormal, é a dúvida mais comum que existe.

Porém se sua dúvida é se você quer ser mãe, tente perceber o quanto desse questionamento são as suas incertezas lutando contra as certezas dos outros. Não há certo ou errado nessa escolha, há somente o respeito a quem você é como individuo e o que você quer para sua vida.

Eu não sou mais feliz ou uma pessoa melhor que você porque sou mãe, a sua maternidade não necessariamente te tornará uma pessoa completa. Eu sou sim mais feliz e superior a quem EU era antes dessa escolha, mas isso só tem relação com a minha vida e as minhas necessidades.

Esqueça os outros, não tente fazer ninguém além de você mesma feliz. Por mais que os avós, seu marido e amigos queiram que você entre nesse universo lindo dos bebês, as responsabilidades e abdicações maiores sempre serão suas.

Na maioria dos casos é mãe que levanta de madrugada para dar de mamar e trocar fraldas, que fica 4 meses em casa quase sem sair dedicada a alimentar e trocar um bebê pequeninho e super dependente.

É ela que volta a trabalhar e que sai no meio do expediente para levar ao pediatra ou buscar na escola por uma febre. É a mãe que muitas vezes abandona a carreira e precisa se reinventar como pessoa. É a mãe que se perde por um tempo nas funções de mãe, mulher e esposa. É ela que vai chorar algumas vezes por não saber o que fazer.

Eu sabia de tudo isso, sempre soube que não era um mar de rosas, nunca me iludi com as mães perfeitas com seus filhos de porcelana. Porém, eu também sabia que para mim cada sorriso, o primeiro mamãe, os primeiros passos e as demonstrações de carinho, junto com o aprendizado valeriam muito apena.

Apesar do título, eu não estou dizendo para você não ser mãe, pelo contrário, se você tem esse desejo pare de esperar o tal do momento certo, porque quando a gente tem um filho as coisas se ajeitam e a vida acerta o rumo.

Digo apenas para que você escolha a maternidade por você, pela sua felicidade e realização. Não existe nenhuma conveniência social e nenhuma outra pessoa mais importante no mundo do que você. Além disso, nenhuma escolha é para sempre, você pode decidir que não quer ser mãe agora e daqui dez anos adotar uma criança. Qual o problema em mudar de ideia? Não existe verdade absoluta nem para os outros nem para nós mesmos. É nisso que acredito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário