sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Dicas para escolher a escola para o seu filho

Por Lilian Tavares

O final do ano se aproxima e para muitas famílias é hora de escolher a escola da criança para o ano seguinte. Quero compartilhar com vocês esta lista publicada na página da Revista Crescer. Em destaque, comento cada um dos itens:

1- Faça uma lista

Antes de tudo, saiba exatamente o que você espera da escola. Elenque aquilo de que não abre mão, como espaço físico, profissionais qualificados, proximidade de casa, opção de período integral, oferta de cursos extracurriculares. Cada família tem seus próprios aspectos a considerar, por isso é bom criar uma lista de prioridades. Ao fazê-la, você visualiza o que deseja – e isso facilita a busca. É mesmo muito bom levar tudo anotado, algo como “perguntas mais frequentes”. A gente se envolve na conversa e se esquece de perguntar muita coisa. Experiência própria.

2- Em sintonia

Opte por uma escola que tenha a ver com o seu filho e o estilo da família. Não adianta, por exemplo, colocar a criança em um colégio religioso se vocês não são daquela religião. Isso vale também para outras concepções de educação. Por exemplo: tenho um perfil mais libertário e, portanto, não optaria, por exemplo, pelo colégio da Polícia Militar.

3- Pesquise muito

Não há número mínimo ou máximo de escolas que devem ser visitadas antes de fazer a escolha. Para alguns, pode acontecer logo de cara, na primeira visita. Para outros, leva tempo e muita pesquisa. A decisão final só deve ser tomada quando os pais se sentem realmente seguros e confiantes. A pesquisa é importante por que precisamos de muitos parâmetros para conseguir estabelecer o que é importante ou não. Tendemos a achar tudo lindo e maravilhoso quando visitamos as escolas, porém o olhar crítico vem depois de um pouco mais de experiência.

4- Converse

Aproveite a hora de saída ou entrada das crianças para conhecer pais de alunos da instituição. Converse com eles sobre questões básicas como alimentação, rotina, método de ensino... As repostas deles podem confirmar (ou não) suas impressões iniciais sobre a escola. Vale também uma pesquisadinha básica na internet, especialmente nas redes sociais e páginas de reclamações de consumidores.

5- Leve a criança

Se você já eliminou diversas opções e ainda está em dúvida entre duas ou três escolas, leve seu filho para visitá-las. Quando a criança vai ao colégio, os pais percebem se ela simpatiza com o ambiente e o tratamento dos profissionais com ela. Se possível, é interessante levar a criança em TODAS as escolas, não só em algumas. Inseri-la nos processos de escolha é fundamental!

6- Além do básico

O colégio deve ir além de apenas passar o conteúdo das aulas e cuidar da criança, mantendo-a limpa e alimentada. Eleja uma instituição que também ensine valores e estimule o desenvolvimento cognitivo, físico e social – independentemente da idade do seu filho. Sei que muitos não concordam, mas para mim, o conteúdo é o de menos. Aliás, uma dica: desconfiem muito de sistemas apostilados, especialmente na Educação Infantil...

Com relação à higiene, penso também que outros fatores devem ser priorizados. É bem mais interessante encontrar a criança sujinha de terra ou tinta do que toda limpa. Desconfiem também quando a roupa da criança vem sempre limpa ou quando não há troca suja na bolsa. Criança com autonomia para se alimentar faz a maior sujeira e aquela que brincou muito no parquinho e fez mil artes também. Em compensação, isso não acontece se ela ficou muito tempo assistindo televisão ou preenchendo apostilas. Fique de olho!

7- Preço e qualidade

O alto custo de uma escola particular não significa, necessariamente, boa qualidade educacional. Há excelentes instituições públicas com projeto pedagógico interessante, enquanto algumas privadas têm projetos duvidosos. Não dá para generalizar. É a pura verdade!

8- A comunidade escolar

Leve em conta o padrão de vida dos alunos: ainda que você possa pagar a mensalidade, talvez não consiga acompanhar os hábitos daquela comunidade. Isso pode ser ruim para a criança, pois ela vai desenvolver um senso de inferioridade: é como se ficasse sempre atrás. Por isso, opte por uma escola que se ajuste ao seu padrão financeiro. Assim, seu filho se sentirá parte do grupo, terá assuntos semelhantes e poderá frequentar os mesmos lugares que os amigos. O que eu destacaria é a importância de perguntar logo no início quais são os gastos que vão além da mensalidade, como alimentação, material pedagógico, lembrancinhas para datas comemorativas e passeios.

9- Horários

Quando o pai e a mãe trabalham fora, é essencial questionar sobre o que acontece caso se atrasem para buscar a criança. Cada escola tem seu método: há desde as que não aceitam atrasos até as que cobram taxas extras pelo tempo a mais que a criança permanece ali. Gente, tudo, absolutamente tudo deve estar previsto em contrato. Não só sobre os atrasos, mas também sobre medicação e emergência, pessoas autorizadas a retirar a criança da escola, informações sobre saúde (como alergias, por exemplo) e tudo mais o que julgar importante.

10- Datas comemorativas

Se você sonha em ver seu filho fazendo apresentações em datas comemorativas como Dia dos Pais e das Mães, busque uma escola que ofereça isso. Algumas não realizam festas nessas datas. Outras fazem as comemorações internamente, só para as crianças. E há, ainda, as que realizam o evento e cobram pelo serviço (desde o figurino usado pelos alunos até os presentes ofertados aos pais). Acho que já conversamos sobre isso...

Um grande abraço a todas e um ótimo 2015!

Nenhum comentário:

Postar um comentário