terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Como proteger seu pequeno das picadas de inseto no verão

Por Kelly Oliveira - www.pediatriadescomplicada.com

O verão está batendo à nossa porta, e com ele sempre vêm os inoportunos insetos, que tanto incomodam nossos bebês, e trazem com eles muitas doenças. O post de hoje é para ajudar a prevenir as tão chatinhas picadas, seja usando repelentes ou protetores de barreiras, como mosqueteiros e telas.

IMG_2305  IMG_2306

Você sabe qual a diferença entre os repelentes existentes no mercado? Alguns deles têm uma formulação feita especialmente para as crianças, com concentração mais baixa do princípio ativo, que é perfeitamente tolerada pela criança, e normalmente tem o cheiro mais agradável. Teoricamente, qualquer criança acima de dois anos pode usar qualquer repelente, mesmo os indicados para adultos. Isso porque todos os repelentes têm concentração adequada e foram testados quanto à sua toxicidade. Já para crianças com menos de seis meses, nenhum repelente é indicado, exceto os naturais, como o óleo de citronela, o óleo de andiroba e o óleo de eucalipto-limão. O uso destes últimos é liberado, mas sua eficácia é muito mais baixa.

No Brasil as opções de repelentes no mercado são muitas, e as principais estão dentro dos seguintes grupos:

1. DEET (N,N-dietil-m-toluamida): um dos mais conhecidos e já usados há décadas pelas famílias brasileiras. É liberado para crianças a partir dos 2 anos e a recomendação é que se use a menor concentração possível que confira eficácia e sem toxicidade. No Brasil, todos os repelentes para crianças têm concentração menor que 10%. As marcas que utilizam essa substância são: Autan®, OFF®, OFF kids®, Super Repelex® e Super Repelex kids gel®.

2. Icaridina ou KBR 3023 – é um composto derivado da pimenta, e é um repelente com boa eficácia, comparável aos DEET, e com efeito um pouco mais prolongado. É indicado pela OMS, para viajantes, principalmente por proteger efetivamente contra o mosquito da Dengue, o Aedes aegypti. Pode ser utilizado por crianças maiores de 2 anos. A única marca disponível no Brasil é a Exposis®, tendo a opção “Kids” para crianças.

3. IR 3535: usado na Europa, já existe há 20 anos. Numa concentração de 20% protege contra o mosquito  Anopheles (responsável pela malária) e Aedes  (mosquito da dengue) por cerca de 3 horas. É liberado para gestantes e crianças a partir dos 6 meses.  A marca disponível no Brasil que utiliza essa substância é a Loção Antimosquito da Johnson & Johnson.

Existem também os óleos naturais, como o óleo de soja, o óleo de citronela (disponível no mercado como Citromin spray), óleo de andiroba e o óleo de eucalipto-limão, porém o único que comprovou ser realmente eficaz foi esse último.  Por isso recomenda-se o óleo de eucalipto-limão para bebês menores de 6 meses de idade, pois ainda ainda não existem outras opções de repelentes.

Quais outras medidas posso usar para proteger as crianças dos insetos?
As medidas de proteção que podem ser utilizadas nesses casos são: telas de proteção em janelas, mosquiteiros tratados com inseticidas e mosquiteiros sem tratamento. Deve-se usar roupas que cubram a maior parte do corpo, de preferência não coloridas, pois as coloridas atraem mais os insetos. Não usar perfume, sabão em pó nem amaciante em excesso, pois também atraem mais insetos.

Uma super dica: passe o repelente sobre a roupa do bebê, aumentando a proteção e diminuindo o risco de toxicidade!

Repelentes como velas naturais e incensos têm baixa eficácia, e devem ser usados junto com outras medidas associadas.

Já os protetores de tomadas ultrassônicos, luminosos, chá de alho e o complexo B não têm comprovação científica sobre sua eficácia. Muitos deles podem ser usados na prática do dia-a-dia, e dizem as vovós que funcionam mesmo! Mal não vai fazer...

Espero que tenham gostado! No próximo post falaremos sobre o que fazer se a picada já aconteceu.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário