terça-feira, 30 de setembro de 2014

Aprovado! Clube do Brinquedo

Nós simplesmente amamos a proposta do pessoal do Clube do Brinquedo. Sabe aquela experiência de comprar um brinquedo e seu filho brincar 10 minutos e depois não dar a menor bola? Quantas vezes você já não se arrependeu de comprar algo por que ocupa muito espaço na sua casa? E aquele brinquedinho fofo que seu filho perdeu o interesse por que já não era mais da idade dele?

Eu confesso que não conhecia o Clube do Brinquedo, até que um dia uma mãe aqui do meu prédio falou sobre a empresa.  Ela me contou que quando gostava de algum brinquedo ou pensava em comprar ela alugava primeiro. Ai eu fiquei pensando: que ideia mais bacana!

A proposta do Clube é que eles compram o brinquedo e a gente se diverte, não é demais? Eu adorei, principalmente por que incentiva um consumo compartilhado, onde podemos ter apenas o que realmente importa, ajudando nosso querido planeta.

O Clube do Brinquedo tem uma mensalidade e você pode mês a mês escolher e trocar de brinquedos. Para ser sócio, você só precisa entrar no site, selecionar o plano que tem a ver com a sua necessidade, preencher um cadastro e sua forma de pagamento. Assim que sua transação estiver OK você já pode escolher os brinquedos e rapidinho eles entregam na sua casa.

IMPORTANTE: Se sua casa estiver dentro da área de cobertura eles não cobram nenhum valor pela entrega ou retirada dos brinquedos, caso contrário há a cobrança do custo do transporte. Você consegue conferir no site deles essas informações.

Olha a alegria da Alice quando o brinquedo chegou:

 

E se você ficou pensando, poxa, mas esse brinquedo já foi usado por várias crianças, será que não fica sujo ou algo assim? Eu fiquei preocupado com isso e por esse motivo, procurei o Wagner, proprietário da Loja do Brinquedo. Ele me explicou que todos os brinquedos são limpos com álcool 70% quando retornam da casa do cliente e embalados em seguida. Olha como funciona o processo até chegar a nossa casa:

Eu e a Thiara aprovamos o Clube do Brinquedo por acreditamos que criança não precisa ter muita coisa, mas a oportunidade de ter a experiência com um brinquedo é super importante. A Alice e a Manu aprovaram a diversão de ter em casa brinquedos diferentes todo mês e estão super felizes com seus brinquedos compartilhados.

 

Se você curtiu, acessa o site http://www.clubedobrinquedo.com.br/ e confira como ser sócio como a gente.

Diabetes Gestacional

Quando eu descobri que estava grávida tive que fazer uma série de exames e foi ai que ouvi falar pela primeira vez em “diabetes gestacional”. Eu nem imaginava que a mulher poderia desenvolver essa doença por conta da gravidez, mas fiquei aliviada ao saber que é algo que passa depois do nascimento do bebê.

Andressa (31)

Diabete é quando o corpo não consegue fabricar insulina, hormônio produzido pelo pâncreas. A insulina tem a função de controlar a quantidade de açúcar presente em nosso sangue e é usada como fonte de energia. Nosso corpo precisa produzir insulina para atender as necessidades do bebê e quando nosso corpo não consegue fazer isso, passamos a ter a diabete gestacional.

Os médicos por medida de prevenção, já pedem exames bem específicos no começo e no andamento da gravidez para verificar se as mudanças hormonais impactaram de alguma forma na fabricação de insulina pelo nosso corpo.

Bom, se o seu resultado der positivo, você terá que assumir uma série de cuidados durante a sua gestação, mas fique tranquila, a diabetes na gravidez é altamente controlável.

Fui pesquisar para saber qual o problema concreto que o bebê pode sofrer com uma mãe com diabete gestacional. Segundo o site Baby Center, o principal motivo é que o açúcar atravessa a placenta e pode fazer com que o bebê cresça demais, o que dificulta parto e leva a necessidade de uma cesariana. O Bebê também fica mais propenso a icterícia e hipoglicemia após o parto, além de poder apresentar problemas respiratórios.

Há pesquisas que sugerem que os bebês muito grandes têm mais chance de obesidade no futuro e respectivamente, mais propensão a diabete. Por isso os cuidados conforme as orientações do seu médico são imprescindíveis.

Quem tem mais risco de ter diabetes na gestação?

· Mulheres que já tiveram diabetes gestacional em gravidez anteriores.

· Obesidade (IMC acima de 30)

· A idade, quanto mais nova menos chance de ter o problema.

· Parente de primeiro grau diabético que dependa de insulina.

Se você já era diabética antes de engravidar, seu médico deverá manter alguns cuidados extras para que você possa seguir com sua gestação com segurança.

Fonte: http://brasil.babycenter.com/a700349/diabete-gestacional#ixzz3EAMojbrS

5 dicas para ajudar na amamentação exclusiva

Por Bruna Cardoso

É comum, quando recebo uma solicitação de atendimento, perceber que o papai, a titia ou a vovó têm na voz uma preocupação e às vezes até um certo desespero. Algumas mamães me olham com olhos de quem busca por socorro, vejo este olhar me implorando por ajuda ou às vezes até com um tom de desânimo acompanhado por uma frase do tipo: “Você é minha última alternativa, estou cansada, com dor e não sei o que meu bebê precisa ou o que faço para ele parar de chorar”.

Nesse momento, a maior parte das mães já deu fórmula para o bebê, muitas vezes mamadeira e chupeta, e na maioria das vezes são casos que consigo reverter e fazer com que a mãe volte a alimentar o bebê exclusivamente no seio.

amamentaçãoFonte: Arquivo Pessoal

Diante das inúmeras vezes que vivenciei essa situação tenho algumas dicas para dividir com você:

1- Tudo que seu bebe precisa é de você calma.

Respire fundo, mantenha a calma e confie em você. A maternidade está tatuada na genética feminina. Procure um ambiente calmo, silencioso e confortável, se o bebê estiver dormindo há mais de 4 horas sem se alimentar acorde-o tirando as roupinhas, começando pelas meias. Se ele já estiver acordado e chorando você precisará primeiro acalmá-lo, converse com ele, faça-o parar de chorar. Uma dica é enrolá-lo em uma manta e deixá-lo bem firme. Dessa forma eles sentem como se estivessem dentro do útero. Só depois, quando ele já estiver calmo, ofereça o seio.

2- Beba muita água

No mínimo 2,5 L de água por dia. Suco, leite e quaisquer outros líquidos não entram nesta conta. Água é a fonte da vida, hidrate-se e terá a matéria-prima para a produção do leite que alimentará seu bebê.

3- Alimente-se de forma saudável

A maioria das mulheres ganha mais peso do que o ideal durante a gestação. Mas essa não é a hora de se preocupar com isso. O importante nesse momento é se alimentar de forma saudável. Não pule nem substitua as principais refeições, evite alimentos muito calóricos, ricos em gorduras ou carboidratos simples como salgados, frituras, bolos, tortas. Dê sempre preferência aos alimentos integrais e naturais como: frutas, legumes e verduras.

4- Durma, aproveite os momentos em que o bebê dorme para descansar

Nos primeiros meses é difícil manter um padrão de sono, pois o bebê acorda a cada 2 ou 3 horas para mamar e a mãe fica preocupada em cair no sono e não escutá-lo chorando. Mas lembre-se que descansar é muito importante, pois para que haja uma boa produção de leite você deve estar descansada.

5- Cuidado com a vizinhoterapia

Muitas mães têm dificuldades na hora de amamentar e é constatado que todas desenvolvem suas próprias técnicas, mas nem sempre a mesma técnica funciona com todo mundo. Cada mãe irá descobrir as particularidades do seu bebê, a melhor forma de amamentá-lo. Não utilize materiais, medicamentos ou utensílios sem indicação de um profissional. Busque orientação de um profissional especializado. Se estiver com alguma dificuldade você pode conversar com o seu obstetra, com o pediatra de seu bebê ou procurar um serviço especializado de consultoria em aleitamento.

Com simples mudanças podemos fazer com que a amamentação seja prazerosa para a mamãe e para o bebê desde o início. O aleitamento materno é importante não só para a alimentação do bebê, mas também para seu desenvolvimento emocional.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Dica de CD – Grandes Pequeninos

Desde a gravidez li muito sobre a importância de colocar música para os bebês ouvirem, inclusive dentro da barriga. Sempre fiz isso, mas colocava as músicas que eu gostava, normalmente MPB, para ouvir com a Alice durante a gravidez.

Quando ela nasceu, desde o comecinho, buscamos sempre acostumá-la com música, tornar os sons que gostamos habituais para ela, e foi com grande alegria que nos deparamos com o Grandes Pequeninos, um livro + CD feito por Jair Oliveira (que talvez você aí conheça como Jairzinho) e Tania Khalil, sua esposa.

grandes pequeninos

O CD gravado pela dupla, com a participação de outros papais artistas e amigos, é uma compilação de músicas que tratam sobre a chegada do bebê na família. Divertidas, tranquilas e gostosas de cantar, podem acompanhar os pais e bebês em grande parte das tarefas diáris, como o banho, a hora de mamar, e até mesmo o passeio com o papai.

Jair escreveu 12 músicas que abordam os inúmeros momentos de prazer dessa relação gloriosa entre pais e filhos e cada momento propiciou uma canção carinhosa como trilha sonora para o dia do bebê. Aqui em casa foi, por longos meses, a trilha sonora de todos os dias, e inúmeras vezes me peguei cantando “pronto, pronto vai passar, não precisa mais chorar” enquanto ninava e acalmava Alice no colo.

Hoje, com quase 2 anos, Alice ainda gosta das músicas, mas se diverte mesmo é com o livro que acompanha o CD. Antes de dormir, na hora da historinha, não é raro ela pedir para o papai o “ivo da baíga” – ou livro da barriga, como ela carinhosamente o apelidou.

Conheça mais sobre esse projeto lindo aqui: http://www.jairoliveira.com.br/albuns/grandes-pequeninos/

Quanto custa uma babá?

 

Há alguns meses nós publicamos um post sobre os custos e a comparação entre uma babá e uma escola. Chegamos à conclusão de que os custos (dependendo da região que você mora) são muito próximos. Clique aqui e confira esse post.

Baba

Fonte: http://guiadobebe.uol.com.br/a-super-baba/

Entretanto, percebi que essa informação estava incompleta, pois hoje, a babá tem direitos trabalhistas e não temos apenas o custo do salário, temos também os encargos que a contratação de um funcionário impõe.

Quais custos você deve considerar:

· O salário líquido: normalmente os patrões não descontam de seus empregados domésticos as tributações, ou seja, se combinarem um valor com seu profissional, o patrão assume as despesas com tributos.

· Vale-transporte: por lei, os empregados domésticos têm direito ao valor da condução. Alguns patrões preferem dar o valor em dinheiro, porém, vale lembrar que na somatória no caso de um processo de rescisão, esse valor acaba entrando como salário também. O patrão tem o direito de descontar 6% do salário do colaborador por conta do transporte, mas a maioria não desconta.

· INSS: esse tributo é pago pelo funcionário e pelo patrão. O patrão paga 12% e ele tem o direito de descontar mensalmente se 8 a 11% do salário, de acordo com a faixa salaria do empregado. Para saber a faixa de desconto, visite o site da Previdência Social. Normalmente os patrões não repassam para seu empregado a taxa e assumem as duas parcelas.

· FGTS: a contribuição equivale a 8% do salário do mês e é pago pelo empregador.

· Poupança da Rescisão: Caso você precise demitir sua funcionária, você terá que pagar uma multa de 40% em cima da sua arrecadação para o FGTS. Os especialistas indicam que você faça uma reserva de capital mês a mês, prevendo uma necessidade como essa,

· Férias: assim como as empresas, o funcionário do lar tem o direito a 30 dias de férias, podendo vender 10 dias das férias e receber esse valor em dinheiro. Você terá que pagar para o seu funcionário um bônus de 33,3% do salário para as férias.

· 13º Salário: é um salário integral pago no final de cada ano.

· Carga horária: 44 horas semanais.

· Hora extra: qualquer quantidade de horas trabalhadas pelo empregado a pedido do patrão que ultrapasse o limite máximo diário de duas horas extras por dia.

· Alimentação e moradia: o patrão não terá que pagar para diretamente para o seu empregado, mas os custos da vasa irão aumentar.

· Uniforme: caso o patrão opte pelo uso do uniforme, o custo será dele.

· Plano de Saúde: opcional, mas ser você puder, será uma ótima opção para os cuidados do seu funcionário com a saúde dele.

Lembre-se: a babá não é uma máquina, ela irá faltar, ficar doente, tirar férias, então tenha sempre em vista um plano B no caso dessas ausências e se você não tiver ninguém por perto para ajudar na rotina com seu bebê.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Como fazer o RG do bebê

No mês passado fizemos o RG da Alice. Uma fofura um RG de bebezinha, e tô torcendo para eu nunca nunquinha perder, porque além de útil é uma recordação linda da minha pituquinha.

Rg-2745

Tirar o RG de um bebê é super fácil, e agora com os postos do PoupaTempo espalhados por toda a cidade, é mais fácil ainda. Abaixo o passo-a-passo para fazer o RG do seu bebê também (lembrando que as dicas são para fazer o RG em São Paulo. Se você mora em outro estado o ideal é verificar como são as regras por aí antes).

Tem idade mínima?
Não tem idade mínima para fazer o RG, um recém nascido já pode ter o seu. Mas vai ser um desafio maior fazer uma foto 3 x 4 dele.

Onde fazer?
Em São Paulo o RG pode ser feito em uma unidade do PoupaTempo. Antes de ir até o posto é preciso agendar o serviço nesse link: http://www.agendasp.sp.gov.br/poupatempo.

Quais documentos são necessários?
Para solicitar o RG você precisa levar a Certidão de Nascimento do bebê e uma foto 3 x 4, de frente e recente. Além disso será necessário apresentar também um documento com foto do responsável legal.

Quanto custa?
A primeira via é gratuita. O envio do documento para sua casa custa R$ 9,09, e esse serviço é opcional.

Em quanto tempo fica pronto?
O prazo é de 5 dias úteis. Depois desse prazo qualquer pessoa com o protocolo em mãos pode retirar o RG. Se você optar pela entrega em domicílio o prazo de envio é de mais 10 dias.

Informações Importantes:
- Fazer a foto do bebê pode não ser tarefa fácil. Uma dica para bebês muito pequenos é deitá-lo sobre um lençol branco e fazer a foto com ele deitado.
- A foto vai ficar mais clara e nítida se você fotografar com luz natural, de dia, em um cômodo bem iluminado, e sem usar o flash.
- Alguns postos do Poupatempo já têm o novo sistema de cadastro das digitais digitalizado, e é possível que as digitais do bebê não sejam captadas pelo leitor. Isso acontece porque as digitais do bebê ainda não estão totalmente formadas até os 3 anos.
- O prazo para retirada do RG é de 180 dias. Se não for retirado nesse prazo o documento será destruído.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Festa - Gastando pouco e fazendo bonito

O mercado de festas está cada dia mais maluco. É sério, fico passada com as insanidades que leio por aí. Festas que custam R$ 30 mil. Buffets infantis que cobram R$ 10 mil para 50 pessoas, e por aí vai. Eu sempre fui (e continuo sendo) super a favor de fazer festa, seja qual for o motivo, mas gosto mesmo é de festa feita em casa.

Afinal, principalmente a criança, pouco entende do que está acontecendo. Para ela o importante mesmo é estar rodeada de amigos, brincar muito e receber muito carinho. O resto é tudo bônus, e muitas coisas a criança acha uma verdadeira chatice.

Abaixo então reunimos uma série de dicas para deixar a sua festa linda, gostosa e com o menor custo possível. Confira:

- Fazer a festa no salão de festas do prédio é sempre uma boa economia. Mesmo que seja um prédio de alto padrão, o aluguel do salão é muitas vezes menor que o valor de um salão externo ou do que um buffet. Se no seu salão cabem poucas pessoas, como no meu, converse com o síndico sobre a possibilidade de as pessoas se acomodarem do lado de fora. Eu alugo gazebos e mesas extras, e a maior parte dos convidados fica ali, praticamente ao ar livre, e mais perto das crianças, que correm loucamente.
 1aninhoAlice-decoracao-80

- Está sem grana para contratar uma equipe de animação? Você pode seguir uma dica já dada pela Andressa aqui e pedir para o papai ou um tio animado que gosta de tocar violão fazer uma roda de músicas com as crianças. Com a moda de relançarem os sucessos da década de 80, as crianças conhecem e sabem cantar muitas das músicas da nossa infância, e aposto que adultos e pequenos vão se divertir muito.

- Se você é como eu e adora os brigadeiros caseiros, mas não tem muito tempo para ficar enrolando e tem medo de ficar tudo para a última hora, se organize para enrolar os docinhos com antecedência e congelar. Vale chamar aquela prima querida para passar o sábado na cozinha com você. Vocês enrolam brigadeiros e colocam o papo em dia. Os docinhos podem ser congelados por até 3 meses.

- Os bolos cobertos com pasta americana são verdadeiras obras de arte, é verdade. Mas não são essenciais, e muitas vezes nem são os mais gostosos. Que tal contratar o bolo com aquela vizinha da sua vó, que faz bolos há 30 anos? Hoje existem decorações de bolos lindas, fáceis de fazer para quem já trabalha com chantilly há anos, e ela vai adorar o desafio. Se você não estiver muito confiante no resultado do trabalho, peça a ela para fazer uma miniatura do bolo confeitado para você aprovar. Com certeza se você pagar pelos dois bolos sairá mais em conta do que o de uma boleira famosa (e talvez até mais gostoso).

Alice_Decor_Ok-29

- A decoradora dos seus sonhos está com um orçamento que não cabe no seu bolso? Então bora usar a criatividade. Garrafas de Itubaína Retrô podem fazer as vezes de vasos, e se quiser você pode pintá-las ou encapá-las com balões, fica lindo. As flores você pode comprar no mercado. Tem vasos cheios de flores por até R$ 5. E se quiser personalizar os doces, existem muitas opções hoje que cabem no bolso. A Tuty, por exemplo, tem kits digitais a partir de R$ 30, e você pode imprimir em casa mesmo, e depois cortar e montar.

- Se contratar um buffet não está nos planos, uma opção mais barata e que vale muito a pena é contratar uma copeira e uns três garçons. Você providencia toda a comida, e a copeira prepara enquanto os garçons servem. Você pode comprar salgadinhos pré-fritos e congelados, e a copeira vai assá-los para que os garçons possam servir. Eles também servem as bebidas, retiram o lixo das mesas. É um dos serviços que acho mais importantes para uma festa com mais de 30 pessoas.

Que tal? Já dá para pensar em fazer uma festa que não custe o mesmo que passar 15 dias na Disney? Eu sou super a favor! Se tiverem alguma dúvida ou quiserem contribuir com mais alguma dica, os comentários são super bem-vindos!

Farmacinha em Casa

Se seu filho já começou a andar você deve ter percebido que o número de tombos aumentou e muito né? Aqui em casa pelo menos foi assim, vira e mexe a Manu se estatela no chão e vai somando hematomas e arranhões.

MdeMulherFonte: M de Mulher

IMPORTANTE: Segundo a pediatra da Manu, no caso de machucados o ideal é só lavar com água e sabão neutro, já os hematomas precisam de gelo e alguma pomada de arnica.

Além dessas receitinhas simples, é importante montar a sua bolsinha de primeiros socorros para você ter em casa e levar sempre que sair. O que ela precisa ter:

· Números de emergência: Telefones do pediatra (consultório e celular, se possível), número da carteirinha do plano de saúde do bebê, endereço do hospital mais próximo, nomes e telefones de dois vizinhos ou familiares que morem perto (para o caso de você precisar de ajuda, como tomar conta de um dos filhos ou uma carona até o hospital). Números de emergência.

· Termômetro.

· Analgésico/antitérmico líquido ou em gotas. Veja quais são os indicados pelo seu pediatra.

· Colher medidora para preparar soro caseiro ou soro em pó (procure em farmácias ou postos de saúde).

· Cremes ou loções para picadas de inseto ou queimaduras do sol.

· Líquido bactericida (por exemplo os à base de clorexidina) ou água oxigenada para limpeza de cortes e machucados.

· Curativos adesivos para machucados.

· Embalagens pequenas de compressas de gaze.

· Um rolo de atadura de gaze.

· Um rolo de esparadrapo antialérgico ou fita microporo.

· Uma tesoura para cortar a gaze.

· Pinça para retirar ferrões ou farpas.

· Soro fisiológico.

· Repelente e protetor solar.

· Remédios indicados pelo médico para lidar com alguma doença crônica.

Nunca deixe esse kit ao alcance do seu bebê. Agora, com toda a curiosidade que ele tem, isso tudo vai para boca.

Fonte: http://brasil.babycenter.com/a3200019/farmacinha-dom%C3%A9stica#ixzz3DOHwWuqh

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

6 dicas para o banho do bebê

Quando a gente chega da maternidade, com aquele bebezinho tão pequeno no colo, muitas vezes começa a perceber que mesmo tendo pensado em tudo, não foi suficiente. Afinal, antes do bebê chegar a gente só tem a teoria, e somente com ele em casa é que podemos ver se tudo funciona. E é exatamente assim que funciona com o banho.

IMG_2930

Abaixo algumas dicas para a hora do banho ser mais tranquila:

1 - Onde colocar a banheira
O melhor lugar para dar banho é aquele que você consegue montar a banheira, tem espaço para você se movimentar, e espaço para trocar o bebê, para que ele nào passe frio indo de um cômodo a outro. Lembre-se também que a banheira deve estar a uma altura que você nào precise ficar curvada, senão nào há coluna que aguente.

2 - O tipo do sabonete
Esse é uma escolha super pessoal, e muitas vezes quem escolhe é a própria pele do bebê. Os dermatologistas costumam indicar sabonetes neutros e glicerinados, por serem menos abrasivos, com menor chance de irritar a pele. Uma dica é perguntar na maternidade qual o sabonete usado lá e, caso o bebê tenha se adaptado bem, continuar com o mesmo em casa. u particularmente gosto demais do sabonete líquido da Natura Mamãe e Bebê, e usei muito esse quando Alice era recém-nascida.

3 - Lavar a cabeça todos os dias
Nos recém nascidos o recomendado é que se lave a cabeça todos os dias sim, pois podem ter crostinhas resultados ainda de sujeira do parto. Depois de um mês, se estiver muito frio e você perceber que o bebê está com a cabeça bem limpinha (sem restos de leite, por exemplo) não há mal algum em deixar um diazinho sem lavar.

2014-08-30 19.07.13

4 - A temperatura da água
A temperatura ideal para o banho do bebê é entre 35º e 37º, água morna, dependendo do dia (mais quente ou mais frio. Para saber se a água está nessa temperatura você pode usar um termômetro de banho, à venda em lojas especializadas em bebês e até mesmo em farmácias, ou colocar o ante braço na água e ver se está morninha (tem que ser o antebraço, que tem a pele mais sensível).

5 - Precisa lavar a banheira
Depois de alguns banhos é normal aparecer uma crosta de sujeirinhas na lateral da banheira, é gordura que se acumula. Ela pode ser lavada com água e detergente e a parte mais macia de uma esponja.

6 - Secador no cabelo
Antes dos 6 meses de idade nào é recomendado o uso de secador para secar os cabelos dos bebês, pois eles podem irritar o couro cabeludo e você nem perceber. Depois dessa idade pode, mas sempre no morno, e bem longe do couro, cerca de 50 cm.

Mães famosas: O estilo de Grazi Massafera com Sofia

A Grazi Massafera faz o estilo mãezona daquelas que senta no chão para divertir a pequena, que leva para passear na praia e no shopping para fazer compras, por isso seus looks quando está com a Sofia são sempre simples e confortáveis para abaixar, levantar, segurar a pequena no colo e brincar sem se preocupar com detalhes como decotes à mostra por exemplo!

Ela usa muito jegging (mistura de jeans com legging, uma versão da skinny mas com tecido mais molinho e fino), camiseta, shorts, sapatilha, rasteiras, cabelos normalmente presos. Saias e vestidos são super raros em dias que a atriz está de folga com a filha!

Veja alguns exemplos que buscamos na internet e que traduzem bem o estilo da mãe Grazi e inspire-se:

Fonte: http://www.purepeople.com.br / http://wp.clicrbs.com.br / http://www.novidadediaria.com.br

Fonte: Glbimg / http://fotos.caras.uol.com.br

Fonte: http://www.ofuxico.com.br / http://www.purepeople.com.br

 

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Aprovado - Óculos de sol da Chicco

Dia desses chegou aqui na redação um óculos de sol da nova coleção Primavera-Verão da Chicco. Lindo de viver! Quando mostrei para a Alice ela já começou com as gracinhas (já contei para vocês que minha filha é piadista, né?!). Colocou no rosto e saiu desfilando pela casa, com o nariz empinadinho.

Desde então, não pode sair um solzinho lá fora que ela já quer colocar o óculos de sol. E sim minha, gente, essa criança ainda não tem nem 2 anos de idade. Mas aí que além de o óculos ser um charme ele também tem lentes polarizadas que filtram e eliminam os efeitos dos raios, com 100% de proteção UVA/UVB. É ótimo para proteger os olhinhos da pituca.

Na nova coleção primavera-Verão a Chicco lançou uma linha com três diferentes modelos de óculos, para bebês desde recém-nascidos (já imaginou sua baby de 1 mês de óculos de sol, nào foi?). Esse da Alice é da linha Artemis, e tem a armação em plástico não-tóxico super maleável, que reduz o risco de quebrar nas mãos dos pequenos desastrados. Além disso é hipoalergênico. Perfect, não?

Eu me amarrei na novidade, e vocês?

5 razões para ir ao dentista AINDA NA BARRIGA!

Você sabe porque uma gestante deve procurar um dentista, tão logo souber da gravidez? Abaixo nossa nova colunista, Hellen Quintela, lista 5 motivos pelos quais as novas mamães não precisam esperar o bebê nascer para cuidar da boca e dos dentes.

1. A gestante pode ter problemas gengivais que, sem que saiba, aumenta em até quatro vezes o risco de parto prematuro;

2. Indo ao dentista, ainda gestante, além da prevenção habitual, ela receberá orientações de como higienizar a boquinha do seu bebê, e saberá como fazê-lo desde o nascimento;

3. Além de como higienizar, a mamãe aprenderá que alguns hábitos podem ser danosos à saúde bucal do seu bebê, como assoprar a comidinha do bebê, por exemplo (risco de transmissão de cárie!);

4. O bebê que tem a boquinha higienizada pela mamãe diariamente, terá benefícios futuros, podendo ter somente consultas de prevenção ao dentista;

5. E ainda mais: esse bebê provavelmente será uma criança que não oferecerá resistência a trabalhos odontológicos futuros.

Se você quiser saber como foi a primeira visita da Manu ao dentista, clique aqui e confira o nosso post que conta cada detalhe desse dia.

A prevenção é garantia de odontologia sem traumas!

 

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Os preferidos no Netflix Kids

Aqui em casa sempre fomos fãs de seriados. Acompanhamos sempre uns 4 ou 5 por vez. Já chegamos a, durante uma viagem que só choveu, assistir uma temporada inteira de uma seriado em um final de semana. Aí inventaram o Netflix, e foi amor à primeira vista.

Tô contando isso para mostrar que nossa relação com o queridinho Netflix é antiga, e não nasceu com a Alice. Mas Alice se aproveita bem dessa estrutura televisiva, e já tem sua lista de preferidos.

image

Abaixo, os 5 desenhos que ela mais assiste (as descrições foram retiradas do próprio Netflix):

- Umizoomi
A equipe Umizoomi está pronta para entrar em ação! Venha com Milli, Geo e Bot resolver os desafios da cidade Umi e veja como é divertido aprender matemática!

- Dora Aventureira
Se você precisar consertar um robô, encontrar o seu caminho em um labirinto de milho ou visitar o Papai Noel no Pólo Norte, Dora e seus amigos lhe mostrarão como fazer.

- Caillou
O pequenino e bem-humorado Caillou explora o mundo com amigos e familiares, aprendendo valiosas lições de vida sobre o trabalho em equipe.

- Pocoyo
Acompanhe o pequeno Pocoyo em suas aventuras e descobertas, nesta vibrante série animada para crianças em idade pré-escolar.

- Toquinho no mundo da criança
Compilação de sete desenhos é acompanhada por uma trilha sonora para as crianças composta pelo cantor e violinista Toquinho e seus convidados especiais.

E vocês, têm mais alguma sugestão?

Como saber se estou grávida?


Quem já não ficou com aquela dúvida imensa se estava ou não grávida por conta de uma “escorregada”, por um atraso no ciclo ou por alguma mudança no corpo?

IMG_2549

Fato é que tem mulheres que sentem ou pressentem, não sei, que estão concebendo uma vida. Eu não me conheço tão bem e só fui descobri que estava grávida lá pela 8ª semana de gravidez, depois de ter bebido um pouco de vinho e ter passado muito mal.

Eu fiz um ultrassom pélvico e um exame de sangue de gravidez com 10 dias de gestação e ambos deram negativo. Fiz esses exames por que eu precisava tomar uma medicação em um PS que não era recomendada para gestantes. Já pensou?!


Erro médico? Não, simplesmente o exame de sangue mede a quantidade de HCG que a mulher produz durante o ciclo menstrual e nosso corpo só começa a produzir depois de dez dias da concepção. Por isso, nos primeiros dias a quantidade de hormônio ainda pode estar abaixo da que é detectada pelo teste.

 


Existem dois tipos de exames, o de farmácia e o de sangue, ambos detectam o hormônio gonadotrofina coriônica humana que é produzido pela placenta quando estamos grávidas.

O Exame de Sangue

Esse é o exame mais confiável, pois consegue detectar a gravidez mais cedo que o de farmácia. Você pode fazer com ou sem pedido médico, porém, sem o pedido você terá que pagar para realização do exame. O preço médio aqui em São Paulo fica entre R$50 e R$90 e se você realiza-lo pela manhã, o resultado sai no mesmo dia.

Você não precisa ficar de jejum ou fazer nenhum preparo para exame, ele é bem rápido e prático.

Vale ressaltar que alguns laboratórios não fazem o exame sem pedido médico. Você terá que ligar para confirmar.

O Teste de Farmácia

Existem milhares de marcas e modelos com orientações diferentes, mas eles só trarão um resultado mais eficiente se você estiver grávida há algum tempo. Segundo os especialistas o ideal é realizar o exame a partir do primeiro dia de atraso da menstruação.

A primeira urina da manhã tem mais concentração de hormônios, por isso se sua ansiedade não deixa-la aguardar para ver se sua menstruação vai ou não atrasar, esse é o melhor momento. Caso você já esteja atrasada, qualquer horário será eficiente.

Lembre-se que se faz menos de uns 15 dias que você se relacionou sem proteção, dificilmente esse teste irá detectar a gravidez e poderá haver um falso negativo.

Os preços dos testes variam muito, tem de R$10 a R$50. Eu usei o mais barato e deu super certo o resultado, o importante é seguir as instruções e verificar se ele está na validade.

Fonte: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,ERT333885-10543,00.html

Livro O que Esperar Quando Você está Esperando – Heidi Murkoff, Arlene Eisenberg, Sandee Hathaway, B.S.N.

sábado, 20 de setembro de 2014

Dica Cultural - Circo dos Sonhos

No começo do mês, fomos, a convite do site Para Criança, conhecer o Circo dos Sonhos e assistir o espetáculo Quyrey - Uma aventura na selva. Foi um passeio incrível.

Fomos com a Alice e nossos dois afilhados, Clara e Vinícius, e todos ficaram vidrados no picadeiro, riram muito com os palhaços e ficaram encantados com os trapezistas.

O Circo dos Sonhos estreia nesse fim de semana um novo espetáculo, No mundo da Fantasia. Pensando em resgatar os aspectos lúdicos da garotada, o Circo dos Sonhos conta a história de um casal de irmãos que não desgrudava um só minuto do vídeo game, até o aparelho entrar em curto circuito e sua tela dar lugar a um portal, que os levará à fronteira da realidade e da ilusão: o reino de Fantasia. Depois de ultrapassarem esse portal as crianças são recepcionadas pelos palhaços, que como os bobos da corte, apresentam a elas o reino encantado de Fantasia.

2014-09-06-540ba72b25331

Os ingressos variam de R$ 15 (meia entrada nas cadeiras laterais) a R$ 70 (inteira nas cadeiras numeradas) e podem ser adquiridos na bilheteria do circo, que está localizado no estacionamento do Mooca Plaza Shopping.

Serviço:
Circo dos Sonhos
Rua Capitão Pacheco Chaves, 313 (estacionamento do Mooca Plaza Shopping
Sábados, domingos e feriados, às 15h, 17h e 19h30
De R$ 15 a R$ 70 - meia entrada para crianças de 02 a 12 anos, estudantes e pessoas com mais de 60 anos
Dúvidas ligue: (11) 2076 0087  ou  (11) 2076 0001
Saiba mais em: http://www.circodossonhos.com/espetaculo/mooca-marcos-frota-apresenta-circo-dos-sonhos

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Primeiros 1000 dias do seu filho

Em 16 de setembro, a Nestlé e a Revista Crescer realizaram um bate-papo sobre os primeiros 1000 dias do seu filho, que compreendem desde a gestação até os 2 anos de idade da criança. Os palestrantes foram o dr. Jayme Murahovschi (pediatra, membro da Academia Brasileira de Pediatria) e Luciana Mello (cantora e mãe do Tony, 8 meses, e da Nina, 5 anos), mediados pela Jornalista Paula Perim.

IMG_7815

IMG_7798

Um espaço brincar com monitores foi criado para que as crianças pudessem brincar enquanto suas mães assistiam a palestra:

IMG_7695IMG_7699IMG_7697IMG_7704

Eu e a Thiara pegamos os nossos bloquinhos de anotações e saímos anotando loucamente tudo o que podíamos para dividir com vocês o que aprendemos.

O dr. Jayme iniciou o bate-papo falando da importância da alimentação saudável e de como as doenças podem prejudicar a qualidade de vida, por isso a preocupação com os maus hábitos atuais.

Ele inclusive comentou que 50 anos atrás, quando começou a atuar na pediatria, a maior preocupação dos pais era “Meu filho não come”, e que hoje, como já sabemos que a criança não precisa comer tanto, e temos novos e melhores hábitos alimentares, a grande preocupação passou a ser “Meu filho não dorme”.

Ele respondeu perguntas sobre os seguintes temas:

1) Rotina do sono

· O pediatra destacou que até os seis meses o bebê possui uma livre demanda para se alimentar, o que interfere no sono, porém após essa idade ele deve entrar em uma rotina.

· Evitar que o bebê adormeça no seu colo. Imagine que você dorme no seu sofá e acorda na sua cama sem saber como foi parar lá? É assustador, e o mesmo acontece com o bebê, gerando os choros noturnos.

· Quando o bebê chorar, espere um pouco, tente deixá-lo se acalmar sozinho. De depois de alguns minutinhos isso não acontecer, você pode ir até ele.

· Nossa agitação ao chegar do trabalho e ainda querer curtir os filhos pode atrapalhar essa rotina.

· Seja firme, não se derreta por conta do choro do bebê. Uma mudança de hábito pode gerar alguns dias de choro, mas renderão anos de tranquilidade.

· O sono é importante para toda a família.

A Luciana Mello comentou que o ritmo de sono de cada um de seus filhos é completamente diferente. Enquanto um dorme mal o outro dormia bem na mesma fase. Ela ainda brincou falando que todo mundo acha que vida de filho de artista não tem a rotina, mas que a vida dela não tem, mas a dos filhos tem sim.

IMG_7799

Finalizaram o tema com a frase “Rotina sem Paranoia”.

2) Quando é a hora de tirar o bebê das fraldas, chupetas, mamadeiras...

· Quando a criança estiver madura o suficiente para conseguir entender e se comunicar, sem preocupações se isso demorar um pouco para acontecer.

· Dr. Jayme destacou que a habilidade de aprendizado da criança acontece durante o dia, mas os treinamentos não funcionam a noite. Por isso é mais fácil tirar a fralda do dia do que a da noite. É normal que o desfralde noturno se estenda até os 5 anos com as meninas e os 6 com os meninos.

3) Por que nossos filhos ficam tão doentes nessa fase?

· Podem existir milhares de explicações, entre elas a entrada na escola, o convívio com outras crianças ou o irmão mais velho que já frequenta a escola.

· A imunidade aumenta aos três anos.

· Se possível, a idade ideal para criança ir para escola é aos dois anos. Não se deve retardar a entrada na escola mais que isso, pois a escola é importante para a criança.

Luciana Mello disse que essa história de que o segundo filho é mais fácil é a maior balela. Cada criança é única e os problemas ou facilidades que você enfrentou com um, não necessariamente você enfrentará com o outro.

4) Parar de trabalhar e viver só para os filhos, ajuda na formação das crianças?

· Sim, é ótimo para a criança que ela tenha mais tempo com sua mãe, porém tem o efeito contrário se essa relação for de “grude”, o que atrapalha na independência do pequenino.

· É essencial? Não! A mãe que trabalha fora não precisa sentir nenhum tipo de culpa, pois a separação por alguns momentos é ótima para criança.

· A ansiedade de separação é maior para mãe do que para criança.

E finalizaram a discussão com a frase “Você é a melhor mãe que seu filho pode ter”.

5) Como lidar com a birra

· Até um ano de vida as crianças não sabem se expressar

· Quando completam um ano, a necessidade independência converge com a segurança do bebê, que se frustra quando não pode realizar algo e libera a birra.

· A solução proposta: ignorar e quando acabar o “show” não cante vitória e diga “ já acabou?”, continue ignorando o que aconteceu e mude de assunto.

· A birra costuma durar de 1 até os 4 anos, caso passe dessa fase é importante buscar um psicólogo.

Luciana Mello contou que age da seguinte forma: quando seus filhos fazem birra em casa ela ignora, e se é na rua ela pega a criança sem brigar, coloca no carro e vai embora, sem dizer nenhuma palavra. Ela deixa o filho perguntar porque foi embora e explica que o motivo foi a birra. Ela disse que fez isso uma vez e que funcionou.

6) O uso de eletrônicos

· Pode com moderação, por estimular menos que uma brincadeira.

Luciana Mello contou que evita ao máximo o uso desses aparelhos e tenta criar sempre brincadeiras novas e criativas.

7) Alimentação

· Ideal é o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses e depois entrar com os outros alimentos.

· Não há nenhuma contraindicação de começar um pouco antes, aos 4 meses a papa de fruta e aos 6 meses a salgada, porém antes dessa idade faz mal para o bebê.

8) Evacuação

· Até os 2 anos de vida é normal que a criança tenha alguns episódios de prisão de ventre por conta da imaturidade do tubo digestivo. Até 4 dias não precisa se preocupar!

9) Refluxo

· O pediatra brincou que estamos vivendo na época da “refluxomania”, todos os bebês tomam um monte de remédio ou tomam leites engrossados, quando muitos não têm nenhum problema.

· Quando a criança não ganha peso ou têm episódios de sufocamento é que pode ser considerada uma doença e precisa ser tratado.

10) Alimentação: meu filho não pode comer besteira nuca?

· Ele sugere que na rotina do dia a dia o bebê e a criança comam apenas alimentos saudáveis.

· Pode liberar sem excesso nas festas e combinar um dia da semana onde a criança poderá comer algum quitute mais gordinho.

11) Meu filho só quer comer com a mão, mas tenho medo dele não se alimentar direito!

· Ele sugere que as mães deixem que seus filhos comam sozinhos e vá ajudando com a colher, se ele aceitar. É extremamente importante para sua independência e ele irá comer o quanto deseja, não se preocupe.

Luciana Mello encerrou o bate-papo dizendo que ser mãe era o melhor projeto que ela já realizou na vida, mais que todos os seus CDs ou DVDs.

Tivemos ainda a oportunidade de conhecer melhor alguns produtos e saber mais sobre a nova linha de comidinhas prontas da Nestlé:

IMG_7824

IMG_7717

No final os participantes do evento ganharam uma bolsa com amostra dos produtos Nestlé e com um exemplar da Revista Crescer.

IMG_7721

Como tratar a conjuntivite em bebês

Em agosto Alice foi diagnosticada com conjuntivite duas vezes, em menos de 30 dias. Só de ver o olhinho dela lacrimejando, já me parte o coração, porque já sei bem o que vem por aí.

2014-08-09 10.33.51

Como essa foi uma doença recorrente, e em menos de 2 anos Alice já teve 3 vezes, fui pesquisar mais sobre o assunto, e trouxe alguns dados para vocês.

O que é?
Conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, membrana fina e transparente que reveste os olhos. Trata-se de uma das doenças oculares mais comuns, com grande potencial de transmissão entre as pessoas. Os olhos ficam avermelhados, irritados, e dificultam a visão. Mas, quando acomete crianças pequenas, incapazes de manifestar exatamente o que as incomoda, a doença exige medidas extras por parte dos oftalmologistas.

Como diagnosticar?
Ao menos sinal de excesso de secreção nos olhos, ou excesso de irritação, leve a criança a um pronto-socorro oftalmológico. É importante ir a um PS apropriado, para que os exames específicos sejam feitos.

De acordo com Renato Neves, diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos, em São Paulo, em crianças e bebês, o exame da conjuntiva também deve incluir os linfonodos – responsáveis por combater a infecção. “É muito importante ter ciência dos ambientes frequentados pelo paciente, sendo informado, também, se há outros relatos da doença na família ou no ambiente escolar. Em determinados casos, também fazemos a cultura da lágrima para analisar a existência de bactérias e definir o tipo de antibiótico a ser prescrito”.

De acordo com o médico, o tipo mais comum de conjuntivite é a infecciosa, podendo ser causada por vírus ou bactérias. “A bacteriana é relativamente fácil de tratar e muitas vezes evolui espontaneamente para a cura. Já a viral é responsável por mais de 90% dos casos de conjuntivite, tem caráter epidêmico e deve ser tratada por uma ou duas semanas, até que esteja curada definitivamente. Em caso de complicações, é importante fazer um tratamento rigoroso, podendo ser transmitida pelo contato físico, manual, ou através de objetos de uso comum.

Como tratar?
O tratamento da conjuntivite, tanto em crianças e bebês, como em adultos, depende do agente causador. Geralmente, compressas de água fria são recomendadas para aliviar a ardência e o mal-estar provocados pela irritação. Também é comum orientar o paciente a usar lágrimas artificiais, soro fisiológico e determinados colírios. Casos graves exigem medicação via oral em conjunto com o alívio local.

“O paciente infectado tem de intensificar a higiene ocular, evitar contato com outras pessoas, lavar muito bem as mãos várias vezes ao dia e usar lenços e toalhas descartáveis. Os pais devem cuidar para que as crianças não fiquem coçando os olhos durante o tratamento, evitando que elas compartilhem brinquedos com outras crianças durante os quinze dias que geralmente dura a doença”, adverte Renato Neves.

Fonte: Prof. Dr. Renato Neves, médico oftalmologista e diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos, em São Paulo

Transtorno de Gênero na Infância

Tenho ensaiado há muito tempo uma forma de escrever sobre esse tema sem que eu interfira no que cada um acredita ou nos dogmas religiosos. Por isso, vou falar com base exclusiva no que a psiquiatria fala e em artigos que li.

Em 2013, a história do menino americano Coy Mathis, de 6 anos, que se identifica como menina e é aceito pelos pais, ganhou bastante repercussão, pois ele tinha tido problemas na escola ao querer usar o banheiro feminino. Segundo a família, Coy age assim e brinca com bonecas desde que tinha 1 ano e meio.

crianca-transgenero-nem-menino-nem-menina-6-55-1024Fonte: Vila Mulher - Coy Mathis. Foto: Reprodução Mail Online

O que é o transtorno de gênero?

Segundo entrevista ao site G1, o psicólogo clínico e psicanalista Rafael Cossi, autor do livro "Corpo em obra" define com transexual a pessoa que tem um transtorno mental e de comportamento sobre sua identidade de gênero, ou seja, nasce biologicamente com determinado sexo, mas se vê pertencente a outro e cogita fazer tratamentos hormonais e cirurgia para mudar o corpo físico. Ao contrário do que já acreditaram psicanalistas no passado, esse não é um caso de psicose, com alucinações e delírios.

Entretanto, outros psiquiatras não gostam de estigmatizar como um transtorno mental, mas sim um transtorno do desenvolvimento cerebral, ou seja, é um fator biológico.

Os estudos da psiquiatria são unânimes ao apontar que é possível identificar o transtorno de gênero já nos primeiros anos da infância. Por isso, eles entendem que transexualidade não é uma escolha e é diferente do homossexualismo.

É possível perceber que a identificação com o sexo oposto e o desejo em assumir um novo gênero começa entre os 4 e 6 anos. Mas ainda não é possível dar um diagnóstico específico, pode ser apenas uma brincadeira e não realmente um transtorno, é preciso acompanhar a evolução do comportamento da criança junto com um psicólogo.

De acordo com o psiquiatra Alexandre Saadeh, coordenador do Ambulatório de Transtornos de Identidade de Gênero e Orientação Sexual do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas (HC) em São Paulo: “É muito comum crianças inverterem os papéis, e quando é algo pontual não há maiores problemas. Mas, se isso se tornar um hábito frequente, diário, o menino querer mudar de nome, usar presilha e brinco, é indicado que os pais e o filho passem por uma avaliação profissional antes de qualquer coisa, para ver se essa é uma questão familiar que a criança está tentando resolver dessa forma ou se já é um transtorno de gênero", afirma.

"A escola também não deve reprimir, mas chamar os pais, explicar o que está acontecendo e aproveitar essa oportunidade para educar também com as diferenças. E não é porque uma criança vê outra fazendo algo que vai querer imitá-la, elas não são macaquinhos", destaca Saadeh.

E Rafael Cossi complementa: "Hoje em dia, sabe-se que existe um cérebro feminino e um masculino, determinado no útero da mãe por hormônios masculinos circulantes. E isso interfere no desenvolvimento cerebral para uma linhagem feminina ou masculina. A cultura e o ambiente também têm importância, mas a determinação é biológica", acredita o médico.

Quais são os indícios?

A criança pode querer usar a roupa do sexo oposto ou ser chamada por outro nome, ficar deprimida, irritada ou até agressiva por ser obrigada a se comportar como não se reconhece. Ela constantemente quer ser tratada como o sexo oposto e se isolam quando percebem que o comportamento incomoda os pais. Mas só um profissional poderá pesquisar essas características a fundo para saber o que se passa de verdade com a criança.

O que fazer após um diagnóstico positivo?

Pais e filho precisaram da ajuda de um profissional para entender e não negar o que está acontecendo, ajudando a criança a vivenciar quem ela é sem nenhuma censura.

É claro que não é fácil para nenhum pai ou mãe aceitar e apoiar o seu filho quando muitas vezes nem ele entende ou aceita esse tipo de condição, mas devemos amar os nossos filhos por quem eles são de verdade e não pelos padrões do que consideramos normais.

Como os pais podem ajudar?

Por mais difícil que seja nunca repreenda seu filho por querer brincar de boneca ou uma menina por querer jogar futebol, dizendo “isso é coisa de menina ou menino”. A sua repreensão não impedirá que o transtorno se desenvolva e nem o fato deles quererem fazer isso quer dizer que tenham o transtorno.

O ideal é agir com naturalidade (mesmo que você não sinta isso) diante dessas situações e tentar verificar se é só uma curiosidade de momento ou um comportamento repetido, sem censurar seu filho.

Mostre-se amigo e compreensivo, escute-o sem apontar o que seria certo ou errado, pois assim, seu filho terá que lidar apenas com a sua difícil condição pessoal e não com a rejeição da família.

Existem um filme bem bacana que pode ajudar a entender mais o tema:

Tom Boy

tomboy Laure (Zoé Héran) é uma garota de 10 anos, que vive com os pais e a irmã caçula, Jeanne (Malonn Lévana). A família se mudou há pouco tempo e, com isso, não conhece os vizinhos. Um dia Laure resolve ir na rua e conhece Lisa (Jeanne Disson), que a confunde com um menino. Laure, que usa cabelo curto e gosta de vestir roupas masculinas, aceita a confusão e lhe diz que seu nome é Mickaël. A partir de então ela leva uma vida dupla, já que seus pais não sabem de sua falsa identidade. Assista ao trailer: https://www.youtube.com/watch?v=x5FPVuR52x8

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/78916-o-pior-e-confundir-transtorno-de-genero-e-homossexualidade.shtml

           http://saude.hsw.uol.com.br/troca-de-sexo1.htm

           http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/03/transexual-pode-se-descobrir-ja-na-primeira-infancia-dizem-especialistas.html

           http://vilamulher.com.br/mae-filhos-familia/criancas/crianca-transgenero-nem-menino-nem-menina-8-1-55-1024.html

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Festa - Receitas de doces para servir no copinho

Quer inovar na festa e servir doces diferentes dos tradicionais? Hoje trazemos algumas receitas de doces que são sucesso nas festas das mamães aqui do Papo, e super fáceis de fazer.

Mini merengue de pêssego
Você vai precisar de:
- 1 pacote de suspiros
- 1 lata de pêssego em calda
- creme de leite fresco para bater chantilly
- açúcar para bater chantilly

Triture o suspiro em pedaços pequenos, com as mãos mesmo. Aí, com uma colher, coloque uma boa quantidade de suspiro em cada copinho.

Complete a tacinha com o pêssego em calda picado. O ideal é deixar quase sem calda, bem sequinho. Para finalizar, bata o creme de leite fresco com o açúcar na batedeira até obter o ponto de chantilly (é só seguir as instruções da embalagem).

Coloque o chantilly em um saco de confeiteiro, e com um bico bem bonito faça a cobertura em cada uma das tacinhas. Fica um charme!

Mini Romeu e Julieta
Você vai precisar de:
- 2 caixinhas de cream cheese
- 2 caixinhas de creme de leite
- 500g de goiabada Cascão

Para fazer o creme de queijo que vai por baixo é só bater duas caixinhas de cream cheese com duas caixinhas de creme de leite. Uma opção é fazer com ricota, que também fica bem gostoso. É só bater 500g de ricota fresca com uma caixinha de creme de leite. Aí é só distribuir nas tacinhas com uma colher. 

Em seguida é só colocar a goiabada derretida por cima. Você pode comprar um pote de goiabada cascão e derretê-la em fogo baixo. Para isso é só colocar uma xícara de água para cada 500g de goiabada em uma panela e cozinhar em fogo baixo, mexendo sem parar. A goiabada ficará bem líquida, então é preciso deixar no fogo até engrossar um pouquinho.

Mini mousse de limão
Você vai precisar de:
- 1 caixinha de creme de leite
- 1 lata de leite condensado
- 1 gelatina incolor
- 1 limão siciliano grande, com bastante suco
- 1/2 pacote de bolacha wafer (nozes ou chocolate branco)
- creme de leite fresco para o chantilly
- açúcar para o chantilly
- raspas da casca de 1 limão siciliano para decorar

Triture, com as mãos mesmo, as bolachas waffer, até obter uma farofa. Coloque cerca de uma colher rasa em cada tacinha. Depois faça a mousse, misturando no liquidificador o creme de leite de caixinha, o leite condensado, o suco de 1 limão siciliano e metade da receita da gelatina incolor, preparada conforme indicado na embalagem (vai dar cerca de uma colher). Bata bastante, até ficar bem cremoso, e despeje sobre a bolacha triturada, em cada uma das tacinhas.

Dica: se você colocar toda a gelatina incolor para essa quantidade de receita, vai ficar muito duro, e não vai ficar bom. Caso vá dobrar a receita, aí sim você coloca toda a gelatina.

Leve para a geladeira e espere endurecer. Quando estiver firme, bata o chantilly (conforme instruções da embalagem) e use um bico e saco de confeiteiro para aplicar na tacinha. Por fim é só raspar a casca do limão siciliano em um ralador (ou com uma faca de serra) e salpicar por cima.

A Segunda Gravidez, como será?

Andressa (80)

Cada gestação é uma fase única, o fato de você ter ou não ter sentido determinados sintomas na primeira, não quer dizer que sua segunda gravidez será igual. Porém, ficamos mais íntimas do nosso corpo e dos sintomas, e conseguimos reconhecer alguns sinais ou passar por algumas fases mais facilmente.

  • Você perceberá a gravidez mais cedo. Os sintomas até podem ser diferentes, mas você se conhece melhor e perceberá que algo está alterado em seu organismo. Você poderá sentir mais ou menos enjoos pela manhã, poderá se sentir mais cansada (sua jornada ainda inclui cuidar de um bebê ou criança, e de tão ocupada pode não tem tempo para sentir que está cansada, a micção frequente poderá surgir mais cedo.
  • Sintomas mais intensos na segunda gestação: aversão ou desejo de alguns alimentos, sensibilidade da pele, crescimento dos seios.
  • Provavelmente você aparentará estar grávida mais cedo, isso por conta do afrouxamento dos músculos do abdome e do útero. O peso e o tamanho do feto do segundo filho em diante costuma ser maior. As dores nas costas e articulações também podem ser maiores.
  • Você poderá sentir o bebê mexer mais cedo, também graças aos músculos mais frouxos. Você poderá sentir os chutes já entre 16 e 18 semanas de gestação.
  • Sua euforia será menor, não se preocupe. O primeiro filho é aquela surpresa, o desconhecido, queremos contar para todo mundo. O segundo já não é tanta novidade, você está feliz, só não tão surpresa.
  • As mães que farão o parto normal terão muito mais facilidade, justamente pelos tais músculos já frouxos combinados à experiência do seu corpo, que poderão auxiliar a chegada mais rápida do bebê, acelerando cada fase do trabalho de parto (desde que não haja complicações).
  • Você poderá sentir muito mais medo e isso é muito normal. Como darei conta de dois? E minhas finanças? Estou mais velha, será que ele terá algum problema? Meu filho terá ciúmes? E mais um milhão de dúvidas. Mas lembre-se: se tantas mulheres já passaram por isso, você também pode!

Cada gestação é um momento incrível de conhecer e passar nossas emoções e amor para nosso futuro bebê, por isso, não deixe que a ansiedade dessa fase atrapalhe a magia que uma nova criança trás para nossas vidas. Tudo dará certo, pode acreditar. ♥

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Viagem - 9 dicas para viajar de avião com o bebê

A primeira viagem de avião que fizemos a Alice já tinha 1 ano e 2 meses, e foi bem tranquilo. Pesquisei e descobri que as companhias aéreas transportam bebês a partir do 7º dia de vida, mas que indicam que ele já tenha mais de 28 dias, que é quando o bebê deixa de ser um neonatal, ou recém-nascido.

Viajar de avião com bebês -babetteFonte da imagem: Blog Babette Bebê

Abaixo algumas dicas para facilitar a viagem, e torná-la mais confortável para você e para o bebê.

1 - Documentos
Confira se os documentos estão todos na bolsa. Para viagens nacionais só precisa do RG ou certidão de nascimento do bebê + RG ou CNH de um dos pais. Para voos internacionais é preciso também levar o passaporte, válido (a validade é diferente para os pequenos) e uma autorização por escrito com firma reconhecida caso o bebê viaje com apenas um dos pais.

2 - Horário do voo
Para viagens longas o ideal é viajar durante a noite, para o bebê descansar e dormir. Se for uma viagem curta, de até 3 horas, o ideal é que não seja no horário do almoço ou do jantar, para que a criança não precise ter uma refeição pesada durante o voo.

3 - Atendimento preferencial
Segundo a Anac, crianças de até 12 anos, de colo ou não, são consideradas passageiros com necessidades especiais e têm preferência no embarque, no check-in e nos assentos diferenciados, como os das primeiras fileiras. Isso vale também se você estiver amamentando. Mas é preciso avisar a companhia no ato da compra ou depois, pelo SAC, com 48 horas de antecedência.

4 - Carteira de vacinação
É sempre importante levá-la com você. Caso o bebê ou criança tenha alguma intercorrência no voo ou até mesmo no local de destino, as informações sobre as vacinas tomadas podem ser essenciais ao se buscar o melhor tratamento.

5 - Alimentos do bebê
Você pode embarcar com alimentos específicos para o seu bebê, como leite, papinhas e e sucos, mas somente em quantidades que serão consumidas durante o voo. Nem tente embarcar com a mala térmica com 10 papinhas na bagagem de mão. Além disso os alimentos devem ser apresentados ao passar pelo raio-x.

6 - Dor de ouvido
Alguns bebês podem sentir um grande incômodo no ouvido na decolagem e na aterrissagem. Para diminuir esse mal estar ofereça a chupeta, o peito ou a mamadeira para o bebê nestes momentos. O movimento de engolir evita que os ouvidos tencionem e devem doer menos.

7 - Cinto de segurança
As companhias aéreas são obrigadas a fornecer um cinto de segurança extra para acoplar ao seu ao viajar com bebês de colo. Ele deve ser preso ao seu cinto e em seguida na cintura do bebê. Não esqueça de desafivelar os dois caso precise levantar para ir ao banheiro, por exemplo.

8 - Uso do carrinho
O uso do carrinho é permitido até o embarque no avião, o que facilita e muito nossas vidas. Nesse momento um funcionário da companhia aérea pega o seu carrinho e despacha com as malas. Ao descer do avião o carrinho deve ser retirado na esteira de bagagem (o que dificulta um pouco nossas vidas, principalmente para quem viaja sozinha com o bebê e precisa pegar mala, carrinho e ainda segurar o bebê no colo).

9 - Entretenimento
Leve atividades para entreter seu pequeno durante o voo, como livros, papeis para desenhar, tablet, joguinhos de revistas e adesivos.

Uma grávida na moda

Não é por que você está grávida que deve usar roupas enormes e caretonas, para não dizer cafonas, não é verdade? Uma grávida antes de tudo tem que se sentir confortável e bonita, ou seja, nada de batinhas, vestidos hiper largos ou jardineiras reguláveis. Seja mais moderna!

Se você está grávida, nada como mostrar com orgulho o barrigão crescendo, é bonito demais! Mas não vai sair por aí com a barriga de fora, não é para tanto, mostrar a barriga é deixá-la em evidência sem se sentir ridícula em roupas enormes.

 Fonte: http://www.isabellaoliver.com

Algumas dicas para tornar o dia a dia da gravidez mais fácil, aproveitando peças que provavelmente você já tenha em casa:

* Evite calças apertadas, mesmo se for uma calça jeans própria para grávida!

Calças muito apertadas podem aumentar a tendência a celulite, não deixam a pele transpirar direito nem seus órgãos genitais! Uma questão de higiene e cuidado!

* Use tecidos maleáveis como a malha, o algodão, a lycra ou que contenha elastano na composição. Evite poliéster, pois esse componente não absorve suor (principalmente com relação às lingeries).

* Vestidos longos de malhas são perfeitos. Se ficar muito solto dá para disfarçar com um cinto de tecido, de elástico ou até mesmo um de couro fininho que dê para amarrar.

* Calça tipo pijama de viscose fica lindo em grávidas, use com blusas básicas ou camisetas divertidas ou lisas.

* No pé a escolha deve ser sempre por sapatos flats, ou seja, sem salto como sapatilhas, rasteiras ou tênis. O salto pode forçar o aparecimento de varizes ou vasinhos, além de deixar a perna ainda mais inchada.

* Se precisar comprar algo, dê preferência às peças que você pode aproveitar na amamentação, como camisas, blusas com botões, calças leves.


Fonte: http://walkingwithdancers.blogspot.com.br/

 
Fonte: http://www.barefootblonde.com/

 
Fonte: http://www.people.com/

 

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Aprovado! Jogos americanos da Teca

Alice está com 1 ano e 9 meses, e cada dia mais independente. Quando nos sentamos à mesa para comer ela não quer saber de jeito nenhum de darmos comida para ela, e o resultado de comer sozinha é aquela enorme bagunça.

IMG_2729

Recebemos esses dias aqui na redação do Papo um kit de Jogos Americanos da Teca, e foi amor à primeira vista. Na mesma noite coloquei para a Alice jantar, e ela adorou o acessório novo, com ilustrações de Maria Eugênia.

E o mais legal? A mamãe amou que ele é plastificado e não precisa de horas esfregando no tanque para lavar e tirar as manchas. É só passar um pano úmido (passei aqueles Perfex) e pronto, está novinho para usar no dia seguinte.

Por aqui estamos apaixonadas! O kit vem com 6 unidades, e inclusive já separamos uma exclusiva para brincar de massinha, a brincadeira preferida da pituquinha atualmente.

Qual a idade ideal para tirar fralda, chupeta, peito ou mamadeira?

IMG_6871

Eu tenho me perguntado ultimamente, será que existe uma idade certa para tirar a chupeta , fralda ou a mamadeira de um bebê? Eu fico encanada e até me culpo por ter dado a chupeta para Manu e por ainda dar leite na mamadeira.

Fui pesquisar e ler um pouco a respeito e descobri que a fase ideal é a que é certa para o bebê, não existe um momento onde obrigatoriamente todas as crianças precisamos mudar algum hábito. Temos que prestar atenção aos sinais de maturidade que nosso pequenino envia com seu comportamento, pois a chance da mudança ser menos traumática para ele e para você é bem maior. Então, se seu filho têm três anos e ainda usa fraldas, chupeta, ou mamadeira você não está errada e ele é normal.

A questão é que precisamos ajuda-los a mudar esses hábitos para a saúde e independências deles, por isso temos que achar uma forma de fazer isso sem que haja um trauma para o pequenino.

Os especialistas calculam idades médias que seriam as mais adequadas para que essas mudanças começassem a acontecer:

· Deixar de usar fraldas: entre 2 e 4 anos.

· Amamentação prolongada: entre 2 e 3 anos.

· Deixar de mamar na mamadeira e usar o copo de transição para tudo: aos 12 meses.

· Tirar a chupeta: o período mais fácil seria após os 6 meses, quando a criança já aprendeu a dormir a noite inteira.

Eu fiquei bem mais tranquila quando vi esses prazos, por que nada dizia que eu tinha que conseguir tirar a fralda da minha pequena exatamente quando ela fizesse X anos, não é assim, vamos tentar e se as coisas forem difíceis eu sei que é normal. Ufa!

Fonte: http://delas.ig.com.br/filhos/fraldas-mamadeira-chupeta-existe-idade-certa-para-largar/n1237984418530.html