quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Ter ou não ter um bebê quando não se tem família por perto?

Andressa (63)Fonte: acervo pessoal. 

Quando eu escolhi ser mãe eu sabia que não seria fácil, mas não tinha dimensão de quanta coisa em minha vida teria que mudar. Foi preciso me reinventar, abandonar alguns sonhos, criar outros, abrir mão de algumas conquistas e repensar meus objetivos. Mas já adianto que tudo vale muito a pena!

Mesmo antes de ser mãe eu já conversava com minhas amigas sobre a opção de ter um filho quando não temos muita infraestrutura, ou seja, quando não temos ninguém da família por perto ou uma babá daquelas de novela que dorme na nossa casa. Sempre me deu um medo danado disso e na prática, vivendo essa situação, vou falar a verdade, não é impossível, mas não é nada fácil.

Pontos de reflexão:

· É muito difícil que ambos os pais se dediquem a carreira, um vai ter que abrir mão do sucesso profissional. No meu caso fui eu, depois que fui demitida comecei a ser a muito criteriosa para achar uma nova oportunidade profissional: precisa ser perto de casa e não pode pedir flexibilidade de horário, o que na minha área é muito raro.

· Você vai sair mais cedo do trabalho por causa de febres do seu bebê, faltar para cuidar dele por que ele ficou doente e por ai vai.

· Vai acontecer vez ou outra de você e o seu bebê ficarem doentes ao mesmo tempo e em muitas situações, você terá que dar conta do recado sozinha.

· Você terá que assumir o controle da vida do seu bebê, tomar as decisões e decidir tudo de forma autônoma, não dá para ligar para o papai no meio do trabalho para perguntar a opinião dele sobre dar ou não um alimento novo por exemplo.

· A sua vida será uma rotina, basicamente tudo se repetirá todos os dias, do mesmo jeito, é importante lidar com isso de forma positiva, caso contrário você pira.

· É preciso aprender a pedir ajuda! Não dá para fazer tudo sozinha, algumas vezes você precisará pedir socorro para vovó que mora em outra cidade ou para amiga. Mesmo que você morra de vergonha e odeie incomodar (meu caso), você vai precisar de suporte. Uma coisa interessante é que quando pedimos ajuda os outros também se sentem a vontade para nos pedir e isso estreita e muito as relações de amizade.

No meu caso, acabei deixando a minha carreira corporativa um pouco de lado, comecei esse blog e tenho feito algumas consultorias na minha área. Precisei repensar também o meu estilo de consumo, hoje só há espaço para o essencial, os pequenos luxos ficaram para trás. Nunca havia dependido financeiramente de alguém, hoje dependo do meu marido, o que é muito estranho para mim, mas tem sido um grande aprendizado.

Se você me perguntar se sou feliz eu vou dizer que sim, de uma forma mais simples, sem grandes expectativas e valorizando as pequenas coisas do dia a dia. Não teria mudado em nada a minha escolha de ser mãe, mesmo que para isso algumas coisas tenham ficado pelo caminho.

Se você optar por ser mãe mesmo vivendo em uma situação como essa, sem suporte ou ajuda, é muito importante que você esteja consciente das dificuldades, não busque ser perfeita e não espere receber algum reconhecimento das escolhas que fez, devemos faze-las de coração, sem esperar nada em troca. A vida fica bem mais fácil assim!

Um comentário:

  1. Arrasou Dre! Eu vivo dizendo que nào sei o que seria de mim e da Alice sem minha mãe por perto, mas é verdade é que tenho certeza que sobreviveríamos, rs. Ela passaria mais tempo na escola, eu correria um pouco mais, talvez alguns projetos tardassem mais em ganhar forma, e os finais de semana seriam mais loucos, mas com certeza a pituquinha estaria por aqui muito feliz e eu teria que lidar ainda mais com minhas próprias cobranças. Faz parte.
    Parabéns pela sua coragem e pela forma linda e dedicada que cuida da Manu.
    <3

    ResponderExcluir