quinta-feira, 31 de julho de 2014

1º aninho chegando, e agora? Dicas para organizar a festa

Essa semana já demos algumas dicas de como organizar o chá de bebê. Agora, seguindo o passo-a-passo que usei para organizar a festa de 1 ano da Alice, vou deixar algumas dicas para vocês.

Primeiro de tudo: faça uma festa que caiba no seu bolso. A criança não precisa de buffet, de mil docinhos, de atrações espetaculares e lembrancinhas caríssimas. A criança precisa de amor. Se você quer e pode gastar os tubos com a festa de aniversário, sem problemas. Mas se não quer ou não pode, fique tranquila. A criança precisa ser lembrada, precisa de amor. Com certeza um bolo feito com carinho e a presença dos avós farão do dia do aniversário dela mais do que especial.

Dito isso, vamos às dicas:
- Planeje - o primeiro passo para a festa dar certo é se planejar. Nada de chamar umas pessoas, comprar uns salgadinhos e ver no que dá. Já que você resolveu fazer festa, vamos organizar para não faltar comida e bebida para ninguém, e para não sobrar comida e bebida para os próximos 5 anos.

- Liste os convidados - faça uma lista de convidados, separe quem bebe de quem não bebe caso vá servir bebidas alcoólicas. Faça uma lista separada de crianças se vai servir algum petisco especial para elas e se terá lembrancinha no final. Assim fica mais fácil saber a quantidade de tudo na hora das compras.

- Defina o local - escolha um espaço que caibam todos os seus convidados. Aqui no meu prédio, por exemplo, o salão é para 35 a 40 pessoas, mas no aniversário da Alice tivemos mais de 90 convidados. Optei por colocar tendas na área externa, e alugar mesas e cadeiras. Assim todo mundo pode sentar, ficar a vontade e curtir a festa sem ficar se esbarrando.

- Defina o horário - lembre-se que as crianças tiram uma sonequinha no meio da tarde, por isso é sempre bom começar a festa após a sonequinha do seu filho, para ele aguentar o tranco. Nada mais chato para a criança e para você do que um bebê caindo de sono (ou dormindo, juro que já vi!) na hora do parabéns.

- Defina o cardápio - para o aniversário de 1 ano da Alice servimos crepes franceses. Achei o custo x benefício super bom, e assim pude ficar tranquila durante toda a festa, sem me preocupar se estava todo mundo comendo, de alguma coisa tava acabando (o que talvez acontecesse se fossem salgadinhos por minha conta). Para o de 2 anos já fechei com um buffet de pizza cone, pois achei um pouco incômodo todos terem que apoiar os pratos para comer os crepes. Não foi prático. Para esse ano escolhi algo sem pratos, para ficar mais informal e podermos aproveitar melhor o espaço sem tantas mesas.

- Escolha um tema - o da Alice foi Jardim Encantado, mas tenho visto cada dia mais temas que me encantam, como usar a primeira letra do nome da criança (B de Bruna, bombom e balão) ou uma decoração mais básica brincando com cores. Não se esqueça que o tema tem que combinar com a criança. Nada de fazer uma festa de Dinossauros se o seu filho tem pavor do bicho.

- Pense com antecedência na decoração - eu costumo fazer até uma planta baixa da mesa, desenhando onde vai o que, para não ficar perdida no dia. É importante ir adiantando as compras de toalhas, papéis, papelaria personalizada, encomendar os doces que ficarão na mesa, produzir ou comprar as lembrancinhas.

- Adiante-se - tudo o que você puder fazer com antecedência, faça. Para vocês terem um exemplo o aniversário da Alice é só em dezembro, mas já contratei o buffet de pizza para ir pagando durante o ano e não pesar tudo no final, já comprei a lembrancinha, já defini o tema e ontem mesmo combinei com a minha mãe de começarmos a fazer as toalhas da mesa.

- Congele os docinhos - caso você não vá comprar os docinhos prontos e vá fazer os seus (eu adoro fazer e inventar sabores novos!) faça isso com antecedência também. Nada de se desesperar para enrolar 500 docinhos na véspera. Enrole todos antes, coloque nas forminhas, feche em vasilhas plásticas ou de vidro e congele. Dura até 3 meses assim.

- Compre a bebida e coloque para gelar um dia antes - o buffet que contratei traz os refrigerantes, mas suco, água e cerveja são por minha conta. A conta por aqui é de 5 latas de cerveja para cada pessoa que bebem, meio litro de água por pessoa e 1 caixinha de 1 litro de suco para cada 5 pessoas. Sempre sobra cerveja.

- Calcule o bolo com moderação - no ano passado eu jaquei na hora de encomendar o bolo. Fui pelas contas das boleiras que falam em 100g por pessoa. Encomendei um bolo de 8 quilos (5 no decorativo e mais 3 de backup). Só que o buffet de crepes servia crepe doce com sorvete. E você acha que o pessoal preferiu comer crepe de Nutella com morangos e sorvete ou bolo de festa? Sobrou mais de 5 quilos de bolo, e no final da festa estava eu distribuindo pra tiazada toda. Esse ano vou comprar apenas 4 quilos, porque quero que sobre um pouquinho para eu comer no dia seguinte, risos.

- Não perca a hora do parabéns - quando a gente faz festa em casa tá sempre tão bom que vamos deixando o parabéns para daqui a pouquinho, né?! Mas não se esqueça que seu bebê pode se cansar e querer dormir, assim como os outros bebês da festa. O ideal é cantar parabéns entre 3 e 3 horas e meia depois do início da festa. Os amigos mais íntimos sempre acabam ficando mesmo depois, e você pode relaxar mais com as obrigações de anfitriã.

- Coloque fraldas no banheiro - festa de criança costuma ter muita criança. Não se esqueça de reservar um espaço para a troca de fraldas e deixar lenços e fraldas disponíveis para facilitar a vida das mamães.

- Planeje uma atividade para as crianças - no ano passado eu ía alugar uma cama elástica, mas como a previsão era de chuva, acabei cancelando. Por azar, o parquinho do prédio estava interditado no dia da festa. Por sorte eu tinha pensado em algo bacana: jogos americanos para colorir e muitos giz de cera foram distribuídos em todas as mesas, e as crianças amaram pintar. Elas também se divertiram soltando no ar os balões de gás hélio que iam embora. Bolhas de sabão também são sempre uma ótima pedida. Para esse ano já pedi para o marido ensaiar algumas músicas infantis para tocar no violão, seguindo a sugestão da Andressa dias atrás.

- Divirta-se: festa boa é festa que todo mundo se diverte, não é? Então não se esqueça de se divertir. Hoje é o dia de vocês comemorarem o ano difícil que passou, os aprendizados, os erros e acertos, as noites mal dormidas, o conhecimento, e a alegria de ver o bebê de vocês crescendo. Aproveite!

Aprovado: Travesseiro de barriga para gestante

Ficar grávida é uma delícia, toda a atenção do mundo é voltada para gente e sempre ganhamos algum mimo. Entretanto, algumas tarefas do dia a dia vão ficando cada vez mais complicadas conforme a barriga vai crescendo.

Dormir com aquele barrigão não é uma tarefa nada fácil, principalmente por que só podemos dormir de um lado só. Parece que todos os nosso órgão ficam meio pendurados e jogados do lado que vamos dormir, é bem esquisito.

Para ajudar, existem os “travesseiros de barriga”. Eu usei e aprovo o Mommy Pad Practical Baby:

Travesseiro de Barriga

Fonte: http://www.tricae.com.br/mommy-pad-practical-baby-6677.html?feature=ultimatebuy&source=product

Obs: Eu comprei em uma loja chamada Eco Baby, que fica na Avenida Sumaré, em São Paulo. Em 2013 ele saiu por R$40,00.

Ele é confortável, tem um tamanho bacana, fácil de levar na mala em uma viagem e se ajusta bem a barriga. Confesso que bem no final da gravidez ele começou a ficar meio fino, acho que ele não iria aguentar muito tempo.

Existem inúmeros modelos no mercado, quem sabe um desses pode ser o que você precisa para ter uma noite de sono mais gostosa?

Segura Mamãe – R$30,90:

super1 Fonte: Site Alô Bebê

Travesseiro para gestante – não achei o preço e onde vende, mas lojas especializadas em gestante ou travesseiros devem ter:

travesseiro-para-gestante-1

Fonte: http://imoveis.culturamix.com/dicas/travesseiro-para-gestante

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Festa - Dicas para organizar o chá de bebê

A Andressa já postou aqui sobre as vantagens financeiras de fazer o chá de bebê, e super concordo com ela que vale a pena. Hoje trago então algumas dicas para organizar o seu.

- escolha uma data em que você não esteja com a barriga muito grande e pesada. Normalmente por volta de 30 semanas é o ideal, pois você já sabe o sexo, já está familiarizada com a gravidez, e ainda não sente muitas dores na lombar.

- opte por um local de fácil acesso principalmente para você. No dia da festa você será super requisitada, ficará pra lá e pra cá, por isso o ideal é um lugar sem muitas escadas ou rampas. Fazer em casa ou no salão do prédio é sempre uma boa pedida caso você tenha esse espaço.

- defina um tema para a festa. Pode ser o mesmo tema da decoração do quarto do bebê, ou um tema que você goste muito, ou até mesmo usar o próprio enxoval do bebê como tema, fica super charmoso.



- requisite ajuda, você vai precisar. Sua vó se ofereceu para fazer bolos para servir? Sua tia se ofereceu para dar os docinhos? Sua mãe e sua sogra querem se encarregar dos lanchinhos? Sua melhor amiga quer fazer as lembrancinhas? Aceite tudo de bom grado, pois a ajuda será super bem-vinda e ainda vai te poupar de se cansar mais do que deve.

- uma dica valiosa que usei no batizado da Alice e agora nunca deixo passar é: contrate um garçom e uma copeira. O serviço deles é impecável e nos deixa livres para curtir os convidados. A copeira monta lanchinhos, esquenta salgados, repõe as mesas de tortas e bolos. O garçom serve os convidados além de recolher toda a sujeira da mesa. Você não precisa se preocupar se estão todos comendo e bebendo, e o custo vale muito a pena (paguei R$ 150 nos dois).

- escolha uma lembrancinha que tenha significado e seja útil. No chá da Alice ofereci um vasinho de flores com cheirinho, para perfumar ambiente. Também adoro dar e receber docinhos em festas, pois com certeza vai agradar a quem recebe.



- se você mora em uma cidade grande que tenha lojas especializadas em bebês faça uma lista de presente nessas lojas. Fiz a minha na AloBebê e foi ótimo. Assim garantimos que você só vai ganhar o que realmente precisa, produtos que realmente quer e ainda tem a opção de trocar uma ou outra coisa que você tenha ganhado repetido.

- para as fraldas, não se esqueça que o bebê cresce rápido e vai usar muito mais fralda G e/ou XG do que as outras. Alice tem 1a7m e usa G desde os 10 meses até hoje. Por isso divida a quantidade de pacotes que vai pedir na seguinte proporção: 20% P, 30% M e 50% G.



- minhas amigas recém grávidas sempre me perguntam sobre qual fralda pedir e minha dica sempre é Pampers. Mas a verdade é que a Alice usou muito Huggies Turma da Mônica também. Isso porque a Huggies P é ligeiramente menor que a Pampers P, e quando a Alice era bem pequetita a Pampers ficava muito grande. Entre a P e a M aconteceu a mesma coisa. A Pampers P era pequena e a M era grande, mas a Huggies M era intermediária, então usamos por mais algumas semanas. Usamos também algumas PomPom, e gostamos muito. Mas no geral gosto muito mais da Pampers que é mais maleável, parece que se adapta melhor ao corpo do bebê. A roxa é a melhor de todas, e segura muito melhor o xixi. Pouquíssimas vezes vazou durante a noite (e olha que vira e mexe ela dorme 12 horas seguidas).

- use uma roupa confortável, e um sapato sem salto. Se estiver no calor, não hesite em usar um chinelo. Você vai se cansar, levantar e sentar muitas vezes, andar bastante, pode ser que os pés inchem, que a barriga fique ainda mais estufada, e se senti confortável é a palavra-chave.

- Aproveite, o dia é seu! Aproveite para rever os amigos, falar bobagens, comer doces, se divertir. Já já o bebê estará com vocês e por alguns meses será difícil ver os amigos, sentar para conversar e não se preocupar com nada. Então minha principal dica é: APROVEITE!

Se quiserem ver mais fotos do meu chá de bebê, tem aqui: http://blog.tuty.com.br/2012/10/festa-pronta-cha-de-bebe-da-alice.html

;)

Foto Antes e Depois do Bebê

Uma sugestão de foto bem legal para acompanhar o crescimento e as mudanças físicas do seu bebê é fazer uma imagem com ele usando a mesma roupinha em épocas diferentes (de preferência um body de manga curta para podermos ver os bracinhos e perninhas).

Olha que legal que ficou esse Antes e Depois da Manu:

antes e depois da Manu

Se você já fez algo parecido mostra para gente!

terça-feira, 29 de julho de 2014

Aprovado! Nosefrida

A primeira vez que ouvi falar no Nosefrida eu pensei: “Queeeee?”. Uma mãe de um grupo que participo no Facebook contou que tinha comprado um sugador de catotas do bebê e o que o sucesso era total. Eu, mãe de filha alérgica a tudo e que vive com o nariz escorrendo e cheio de catarro, fui logo atrás de saber do que se tratava.

1318873726sampleslideshow2

E no fim é isso mesmo que o Nosefrida é, um sugador, que faz milagre gente. Limpar o nariz do bebê é super difícil depois de uma certa idade, quando ele já tem controle das mãozinhas e fica batendo na sua o tempo todo. Além disso os bebês não sabem assoprar pelo nariz para tirar toda a sujeira, o que torna a tarefa quase impossível. A limpeza acaba sendo sempre superficial, com o cotonete.

O Nosefrida tá aí para resolver esse problema. É só encaixar o biquinho azul no nariz do bebê, segurar firme e colocar a ponta vermelha na sua boca e sugar. O tubo azul é bem grande, e pode ficar tranquila que você não vai comer catotinha, rs. Além disso tem um filtro de espuma na ponta que não deixaria nada passar para a mangueira e chegar na gente.

Abaixo um vídeo do marido usando o Nosefrida na Alice recentemente. Ela não gosta muito, faz uma birrinha, tenta arrancar, mas com um pouco de paciência a gente consegue, e o resultado é ótimo. Bebê respirando muito melhor!

Esse aí eu encomendei com uma amiga que estava vindo dos Estados Unidos, e hoje não hesitaria em colocar na lista do enxoval, principalmente se você mora em uma cidade grande poluída como São Paulo.

A respiração da bebê agradece.

Bebê com alergia ao calor

Quando a Manu tinha 11 meses fomos viajar para Alagoas, como eu tenho família por lá, fui apresentar minha pequena herdeira para os seus bisavôs, tios e primos. A viagem foi uma delícia, curtimos muito!

O único problema é que lá estava muito quente, fazia um calor “da peste”, diferente do que estamos acostumados por aqui. A Manu começou a ficar toda pintada pelo corpo, cheia de bolinhas pelo tronco e membros.

Eu até imaginei que pudesse ser pelo calor, mas ela já havia passado por locais mais quentes como o Rio de Janeiro em pleno verão e ficou super bem. Então fiquei preocupada, já que às vezes essas bolinhas podem ser também sinais de alguma infecção.

Tirei uma foto e mandei por e-mail para pediatra da Manu explicando onde estávamos, quais as alterações na alimentação da Manu e tudo que eu achava que podia ser válido.

IMG_5521 IMG_5522

Ela me respondeu que aquelas bolinhas eram brotoejas de calor, muito comuns e que eram uma reação normal da pele do bebê, que é muito fininha e suas glândulas de suor ainda não trabalham direito, ficando entupidas por causa da gordura da pele e por isso a irritação.

O cuidado foi bem simples, bastante água para hidratar, deixar ela com o mínimo de roupa possível (de fraldinha) e banhos fresquinhos. Com o passar dos dias a irritação foi melhorando e logo ela estava boa.

IMPORTANTE: Diagnóstico a distância ajuda a lidar com essas situações imprevisíveis, mas como o médico não está vendo, devemos ficar atentos para qualquer alteração do quadro do bebê.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Bebê com icterícia - o que é isso?

No sábado, segundo dia no hospital, o pediatra passou em nosso quarto e disse que Alice foi diagnosticada com uma icterícia precoce, e deveria ficar o tempo todo tomando banho de luz. Ela foi então levada pelas enfermeiras e voltou com uma máscara protegendo os olhinhos. Também acoplaram ao bercinho dela um aparelho com luzes azuis, usado para dar o tal banho nela, e ela deveria ficar lá direto.

IMG_2868

Quando a vi com aquela máscara, meu coração ficou apertadinho. Uma sensação de que estava incomodando, tadinha. quando a colocamos lá, foi ainda pior, porque ela chorou muito. É claro que não estava doendo, mas ela não parava de chorar, então a peguei para dar mamá. Ela ficou quase três horas mamando (ou fazendo manha, o que é mais provável).

Então eu levei uma bronca da enfermeira, que disse que se eu não a deixasse no berço, ela teria que tomar um complemento alimentar, para não sentir fome e ficar quietinha lá. Fiquei com tanto receio que a tirassem do meu peito que obedeci. E ela deve ter sentido meu medo, porque ficou quietinha lá também.

IMG_2871

A única parte boa é que ela passou a noite toda no quarto comigo. Só a levaram uns minutinhos para trocar a fralda, e depois só no dia seguinte. Na visita do pediatra no domingo pela manhã nossa pequena já teve alta, e pudemos vir todos para casa.

Segundo o Baby Center, mais de 50 % dos bebês saudáveis e absolutamente normais fica com a pele amarelada nos primeiros dias depois de nascer. Como o pico da icterícia costuma acontecer entre o segundo e o terceiro dia, a condição normalmente é diagnosticada e tratada na própria maternidade.

Ainda de acordo com o Baby Center, a icterícia aparece no bebê saudável quando o sangue fica com excesso de uma substância chamada bilirrubina, que é produzida durante o processamento pelo organismo dos glóbulos vermelhos de que ele não vai precisar mais. Os recém-nascidos tendem a ter níveis de bilirrubina mais elevados porque possuem hemácias extras no corpo, e seu fígado ainda não consegue metabolizar o excesso de bilirrubina.
http://brasil.babycenter.com/a1500157/icter%C3%ADcia#ixzz388cBBp6f

Por isso, futuras mamães que passam por aqui, não precisam ficar em pânico (como eu praticamente fiquei). A icterícia é super comum, e o banho de luz já ajuda muito. Nessa semana mesmo já a levamos ao pediatra e ele indicou apenas fazermos um banho de sol na pequena todos os dias, pela manhã ou a tarde. Vê-la no bercinho com a luz azul e oclinhos e de cortar o coração, eu sei. Mas como o marido fez questão de me lembrar a cada minuto: era para o bem dela.

 

 

Dica para o enxoval: Macacões com zíper

Imagina a cena, são duas horas da manhã e você vai dar de mamar, você está morrendo de sono, com um olho aberto e outro fechado, tentando não deixar a peteca cair, que nesse caso é o bebê rs, e ainda tem que colocar o seu neném para arrotar e trocar sua fralda.

Ufa! Não é mole não. São inúmeras trocas de fralda e o bebê pequeno ainda costuma dar aquela vazada que faz com que você tenha que trocar a roupa dele várias vezes ao dia.

A maioria das mães acaba usando nos bebês aqueles macacões com pezinho, pois são mais quentes e simples de vestir já que compõe uma peça só. Por isso, nossa dica é que você compre os macacões com zíper, pois são mil vezes mais práticos e rápidos de abrir e fechar que os de botão.

IMG_1821 Aqui no Brasil é mais difícil de achar, mas tem sim. Se você for viajar para fazer o enxoval no exterior, aproveite, várias marcas, incluindo a Carter´s possuem vários modelos desses com zíper a ótimos preços.

Sugiro ainda que você pense em pegar esses macacões como pijama para quando o seu bebê for maior, já que criança dificilmente se cobre, olha a Manu dormindo:

foto (9) É cabeça para um lado, travesseirinha para o outro e a coberta é um bolo de pano que ela usa embaixo da barriguinha rs. A maioria das crianças dorme assim, por isso o macacão  é uma maneira de protegê-los do frio. Hoje, se eu fosse viajar traria pelo menos dois ou três macacões de plush (tecido mais quentinho) por idade, até mais ou menos três ou quatro anos da Manu.

IMG_5584 Uso esses mais quentes agora no inverno na Manu e tenho uns mais fresquinhos, de algodão para o verão. Super ultra mega recomendo!

sábado, 26 de julho de 2014

Cuidados com o bebê nos dia de frio

IMG_2366

Os dias de frio são uma delícia, mas pedem um pouco mais de atenção com a rotina do bebê, principalmente os recém-nascidos. As crianças são muito mais sensíveis e suscetíveis às doenças de inverno como gripes e resfriados.

O site Pediatra em Foco divulgou uma lista de cuidados para essa época:

LÁBIOS: Os bebês babam muito, isto é normal, dentes nascendo e a falta de controle da saliva faz os pequeninos ficarem sempre babados. Nosso papel como pais é estar sempre com uma toalhinha e evitar que a roupa da criança fique muito encharcada, mas com todo esse processo de “baba e seca” os lábios podem ficar rachados no inverno, devido ao vento e a temperatura baixa. A melhor solução para o problema é passar protetor labial para manter os lábios hidratados.

BROTOEJAS: As brotoejas não são exclusividade apenas do verão, não! No inverno as mães costumam exagerar na quantidade de roupas, principalmente de lã, então as glândulas de suor ficam “entupidas” dando lugar a bolinhas vermelhas, principalmente nas dobrinhas dos bebês. Uma solução para este problema é vestir as crianças com várias camadas de roupas finas e ir tirando conforme a temperatura for aumentando.

PELE: É comum no inverno os bebês e crianças pequenas ficarem com a pele, principalmente do rosto, mais grossa e ressecada. Isso acontece devido ao contato direto da pele com o ar gelado e seco, provocando desidratação cutânea nos pequenos. A solução para a pele ressecada do bebê é não exagerar na temperatura da água do banho, usar sabonete e shampoo sem álcool e passar creme hidratante no rostinho do bebê cerca de 2 minutos após o banho, esses cuidados com crianças no inverno pode evitar dor de cabeça e idas frequentes ao médico por conta de resfriados e febres.

BANHO: Quando a gente é mãe as vezes fica com dó de dar banho nos pequenos nos dias muito frios e pensa em deixar passar achando que vai ser melhor pro bebê, que um diazinho sem banho não vai fazer mal… Tire isso da cabeça! O banho dos bebês deve ser diário! Para tornar o banho mais agradável mesmo nos dias mais frios, escolha o horário mais quentinho do dia, normalmente logo após o meio dia. A temperatura da água não pode estar muito quente, deve ser morninha. Aqueça o banheiro com um aquecedor para não causar um choque térmico no pequeno. Acelere os banhos dos dias frios, lave o bebê rapidinho e logo o enrole em uma toalha um pouco aquecida (por ferro elétrico ou secador).

HIPOTERMIA: A hipotermia é um assunto muito sério e pode levar a criança à morte, principalmente os recém-nascidos. Evite colocar o bebê em ambientes muito frios, procure vesti-lo adequadamente, colocar toucas pois cerca de 25% do calor do corpo do bebê se perde pela cabecinha, manter pés e mãos aquecidos com meias e luvas. Se notar as extremidades do corpinho geladas use um termômetro para verificar a temperatura do corpo, que deve estar acima de 36°, caso esteja a baixo leve o bebê para o hospital enroladinho num cobertor, com o rosto descoberto e com a barriguinha junto à sua, para transmitir seu calor à ele.

Fonte: http://www.pediatriaemfoco.com.br/posts.php?cod=32&cat=5

Só a maternidade explica

maternidade

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Relato de parto - O nascimento de Alice

Desde que me conheço por mulher capaz de dar a vida a outro ser humano digo que quero ter parto normal (e continuo dizendo, quero todos os partos normais). Para isso se tornar realidade, minha primeira preocupação foi ter uma médica que aceitasse minha vontade e não me cobrasse a mais por isso.

E assim foi. Antes mesmo de engravidar, quando decidi que queria ter um filho, já perguntei à minha GO se ela faria meu parto normal. Ela me tranquilizou e disse que se não houvesse nenhuma complicação para mim ou para o bebê faríamos sim o normal. Ótimo!

Depois disso passei a ler muito e muito sobre o assunto. A cada dia ficava mais chocada com a violência que é ter um filho no Brasil, principalmente na rede privada. Conheci e entendi cada um dos meus direitos e discuti muito com a médica sobre o meu plano de parto. Enfim, no dia 6/12, já com 40 semanas e 4 dias de gravidez, minha médica sugerir agendemos uma indução para o dia seguinte pela manhã. Ela me disse que meu colo estava totalmente fechado e altíssimo e que dificilmente eu teria um parto normal, mas que esperar mais poderia ser perigoso para a bebê, pois ela estava muito grande e o líquido amniótico baixo para o tamanho dela. Topei.

Deveríamos então ir ao hospital no dia 7 às 6h30 da manhã. Mas Alice não quis esperar. Ainda na quinta-feira, no começo da noite, comecei a sentir contrações um pouco doloridas, e o processo só foi aumentando com o passar das horas. À meia-noite achei melhor não esperar mais e fomos eu, o papai e a vovó de Alice para a maternidade. Cheguei lá já com 3 cm de dilatação, e fui logo internada, levada para a sala de parto normal.

Tudo aconteceu sem problemas, exatamente como imaginei (na verdade, foi até melhor). As contrações foram aumentando, assim como a dilatação. Lá pelas 4h30 da manhã comecei a sentir mais dor, e a ficar aflita, com muito medo de estar passando o tempo e nada acontecer. Chamei a enfermeira que me tranquilizou e me mandou tomar um banho quente, com ducha sobre o ventre durante as contrações. O banho ajudou muito a relaxar, e quando saí de lá já estava com mais dilatação (e mais dor).

Nessa hora a equipe médica rompeu minha bolsa, que não havia rompido sozinha, e as contrações pioraram muito. Doía bastante, implorei pela anestesia, que me foi dada às 7h15. 

Alice nasceu às 9h48, pesando 3,680 quilos e com 49,5 centímetros de pura belezura. O parto foi normal, com anestesia (graças a Deus). A anestesia foi ótima, porque me fez perder a dor, mas sem perder a sensibilidade. Eu soube exatamente o segundo que minha bebezinha estava vindo ao mundo. A primeira coisa que perguntei foi: “É menina mesmo???”, porque a médica a colocou de costas sobre mim. Quando pude ver seu rostinho, só conseguia dizer: “Ela é linda, é perfeita!”. Não há como descrever essa emoção. Não existem palavras para demonstrar o que sentimos nesse momento.

A equipe de enfermeiros que me acompanhou ficou muito surpresa com o nascimento da Alice, já que ela era um bebezão e que, segundo a médica, as condições não eram tão favoráveis para um parto normal (colo muito fechado, muito alto e a bebê nada de encaixar).

O papai ficou comigo o tempo todo, ajudou muito no trabalho de parto, me dando todo o apoio e massagens necessários. Sem ele eu provavelmente não teria conseguido fazer isso tão bem. Mais uma vez me encheu de motivos para amá-lo e respeitá-lo por toda a minha vida. Alice chegou e nos deu ainda mais a certeza de que nosso amor é uma fortaleza.

Alice mamou exatamente uma hora depois de ter nascido. Ao meio dia eu já estava no quarto, batendo um pratão de comida, pois estava morrendo de fome, e Alice ficou comigo das 13h desse dia e para sempre. Nada de esperar horas para se recuperar para então ficar com o bebê. No mesmo dia às 117h eu estava de pé no chuveiro tomando banho, e no domingo de manhã já estava chegando em casa.

Se você também pensa em ter um parto normal, minha dica é: se informe e acredite no seu corpo. A mágica que acontece é incrível!

E se você ainda tem dúvidas, anseios, angústias ou quer bater um papo, escreve para mim nos comentários que vou adorar responder.

A Primeira saída sem o bebê

Quando a gente vira mãe parece que nunca mais vamos conseguir sair de casa e deixar para trás aquele pequenininho ser que depende tanto de nós.

A verdade é que ele não precisa tanto assim, a avó ou o cuidador escolhido pode muito bem dar conta do recado, mas quem disse que a gente acredita nisso?

Arranjamos todas as desculpas, é por causa da amamentação, por que ele chora quando você não está perto, por que ele está com cólica e por ai vai.

Lembro sempre de um episódio do seriado Friends, onde a Rachel e o Ross precisavam sair para ir comemorar o aniversário da Phoebe e iam deixar a Emma com a avó. Mas a Rachel está tão insegura que acaba levando para o restaurante a bebê e avó rs. Clique aqui e assista um pedacinho do espisódio.

Quem nunca se sentiu assim? Acho que a maioria das mães sentiu esse medo e essa insegurança, mesmo tendo topado sair, ficou ligando para o cuidador mil vezes tentando saber se estava tudo bem.

Comigo foi assim, um pouco antes da Manu completar três meses eu decidi que precisava tirar um tempinho para mim e para o meu marido. Eu percebi que faziam três meses que eu era mãe quase em tempo integral e a esposa e mulher estavam meio de lado.

Foi meio tenso no começo, eu confesso que os primeiros minutos da saída eu estava um pouco arrependida e queria ir embora rs. Mas começamos a conversar, dar risada, falar sobre as mudanças que estávamos enfrentando e de repente, já havia passado umas duas horas e eu havia relaxado.

IMG_2445 Fonte: acervo pessoal.

A saída foi curta, por causa das mamadas da Manu, mas foi suficiente para abrir o precedente para outras saídas, sem culpa e com muito mais tranquilidade.

Não existe uma fórmula para equilibrar a vida de mãe, mulher e esposa. Você pode procurar pela internet, tem um monte de artigos e explicações que falam da importância de ter um tempo para você mesmo e para o marido, principalmente para saúde do casamento. Mas a receita certa cada uma de nós terá que encontrar.

Na minha vida, eu precisava eliminar a culpa e diminuir o espaço que o cansaço ocupa, por que é ele que faz com que eu tenha vontade de usar qualquer tempo livre para dormir ou descansar. Ainda não venci essa batalha, não consigo estar sempre linda e disponível para o marido, pronta para sair com os amigos ou disposta para tudo. Mas tenho tentado dar o meu melhor, sem culpa de não conseguir de vez em quando.

Meu desafio agora é conseguir viajar sem a Manu por pelo menos um final de semana. Eu quero fazer tudo com ela, mas sei que também preciso de um tempo para fazer um programinha de adultos. Quando eu conseguir eu conto!

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Ensaio gestante - vale a pena fazer?

Bom gente, essa é uma pergunta difícil de responder, né!? Afinal, cada um sabe onde seu calo aperta, e a chegada de um bebê realmente acaba com nossas contas bancárias.

O que eu posso dizer é que registrar a gravidez vale sim a pena, seja de forma profissional ou não. Se você tem uma graninha para fazer o ensaio com um profissional, faça. Para mim valeu cada centavo, amo ver as fotos do meu ensaio, foi um dia extremamente especial, e vai sabe se vou ficar grávida de novo um dia, né?!

4

Se você não está podendo pagar um profissional para fazer as fotos, não tem problema. Chame aquela sua amiga ou amigo que comprou uma máquina semi-profissional recentemente para passar uma tarde em um parque ou jardim bonito que tenha perto da sua casa. Você terá fotos lindas e a amiga/amigo ficará super lisonjeado e feliz com o convite.

3

Aqui no post mostro para vocês algumas fotos que fiz com a minha amiga fotógrafa Glau Macedo, do Quitandoca Fotografia. A Glau atende em Brasília, mas aproveitei uma fugidinha dela para São Paulo e agendei meu ensaio para as 32 semanas de gravidez. As fotos foram feitas no jardim do Museu do Ipiranga.

6face

Ou seja, como já disse acima, registrar sempre vale a pena. Seja de forma profissional ou não. Só tome muito muito muito cuidado com os charlatões. Cuidado para não sair pagando por ensaios com fotógrafos que você não conhece, que nunca viu nenhuma foto. Já tive uma conhecida que saiu toda feliz para fazer as fotos e o resultado foi catastrófico. O fundo do “estúdio” era um lençol branco, e pedacinhos do chão de ardósia apareciam em todas as fotos. Uma lástima.

Banho de ofurô para bebês

ofuro-para-bebe Fonte: http://www.renatahermes.com.br/2013/01/ofuro-para-bebes/

Esse tipo de banho é mais que uma atividade de limpeza do bebê, é uma ação que busca o relaxamento. Uma técnica holandesa propõe o banho algumas horas logo após o parto, pois a experiência relembra o útero da mãe, acalmando o neném.

Não existem contraindicações ou idade correta para fazer o banho segundo os pediatras especialistas. O que precisa é que os pais tenham mais segurança e habilidade para segurar o bebê, por isso, talvez seja interessante esperar uns dois meses para começar a prática. Mas se você se sente segura é possível fazer o banho no recém-nascido da seguinte forma:

Como dar banho em recém-nascidos: Nas primeiras semanas, você pode envolver o corpo dele com uma manta fina de algodão e banhá-lo enroladinho, para promover ainda mais a sensação de aconchego. Na hora da higiene, retire a manta e passe xampu e o sabonete. Nas primeiras vezes, o banho pode ser dado por dois adultos. Enquanto um segura o bebê pelas axilas o outro se encarrega de lavar a criança com suavidade. Quando o bebê começa a ficar mais "durinho", torna-se mais fácil para a mamãe dar sozinha o banho de balde.
Fonte: Site Bebe Abril

ofuro-para-bebe-4 Fonte: http://nadafragil.com.br/como-acalmar-o-bebe-nos-primeiros-meses-de-vida/

O balde ou Tub funciona por que o bebê fica imerso em uma água morna, apertadinho e aconchegado, bem próximo mesmo da posição que ele ficava na barriga da mamãe.

Para quem gosta de praticar massagem no bebê é uma delícia terminar a shantala com um belo banho de ofurô.

Importante:

· Use um balde novo que só seja utilizado para prática do banho.

· Nunca deixe o bebê sozinho. Mesmo que ele já fique sentado com segurança, não confie.

· Mantenha sempre uma mão no bebê para dar firmeza e evitar qualquer acidente.

· Só preencha com água ¼ do balde, pois quando você coloca o bebê a água sobe.

Como a Manu nasceu bem no inverno eu usava o balde para dar banho no quarto mesmo. Forrava o chão com uma toalha e colocava o balde em cima, depois era só dar aquele banho gostoso e enrolar minha pequenininha da toalha. Ela amava!

IMG_2255 Fonte: Acervo pessoal.

Fonte: http://brasil.babycenter.com/x5000025/%C3%A9-bom-dar-banho-de-balde-no-beb%C3%AA-com-que-idade

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Escolhendo o carrinho do bebê

Quando comecei a "olhar" os carrinhos na internet, surtei. Eram tantos posts, tantos reviews, tantas opiniões conflitantes... Eu já sabia que iria para Miami fazer o enxoval e fiquei me perguntando se valeria mesmo à pena trazer o carrinho de lá. Eis o que minhas pesquisas e intuições resultaram:

- há carrinhos incríveis no mercado, como os da Quinny e os da Bugaboo. Mas mesmo indo para Miami comprar eles estavam fora de cogitação para nosso budget. São lindos, bacanudos mesmo. Os Quinnys são mais modernosos, cheios de tecnologia. Já os da Bugaboo são super charmosos e parecem mega confortáveis. Mas para ter carrinho + bebê conforto + moisés o valor fica absurdo.

- os carrinhos que são mais baratos lá fora são os da Gracco. Com USD 150 você compra o carrinho com o bebê conforto, daqueles que encaixam por cima do assento do carrinho. É bem barato, e aqui no Brasil você vai pagar mais que o dobro, mas sinceramente não acho que esses carrinhos sejam a melhor opção. Eles são grandes, trambolhões, só fecham dobrados ao meio, então nem sempre cabem no porta-malas do carro. Enfim, riscados da lista.

- depois de tanta pesquisa decidi que o carrinho que eu queria era um daqueles que tanto o moisés quanto o bebê conforto encaixassem diretamente na estrutura do carrinho. É difícil entender isso só lendo, eu sei, e eu mesma só entendi depois de ver muitos vídeos e ir a algumas lojas. Os fabricantes também pecam, porque muitos não deixam claro se dá ou não para fazer isso. E os vendedores das lojas aqui no Brasil são péssimos, não fazem ideia do que estão vendendo. Para vocês terem uma ideia, teve uma loja que eu fui que falei para a moça: "mas esse carrinho aqui sai o assento e o moisés encaixa direto". Ela respondeu que não, não mesmo, categoricamente. Aí eu peguei, apertei uns botõezinhos, tirei o assento e encaixei o moisés, e ela ficou com aquela cara de "nossa, eu não sabia disso!". ­­

- definido o que eu queria que o carrinho tivesse, foi hora de ir atrás de modelos que tivessem essas características, comparar preços e ver onde comprar. O mais bacanudo é da PegPérego e chama Pliko Switch. Ele é vendido na Alô Bebê todo completinho. O conjunto vem com carrinho + bebê conforto + moisés + capa de chuva + bolsa do bebê combinando com tudo. Aqui tem o manual dele e talvez dê para entender como encaixar o bebê conforto e o moisés na estrutura. Ele é realmente o supra-sumo dos carrinhos na minha humilde opinião, mas custa a bagatela de R$ 3 mil, e esse valor estava mesmo fora de cogitação.

- fui ver o preço de conjunto lá fora, e sai por aproximadamente USD 400. Mas aí, como vem com moisés e bebê conforto, a caixa é imensa. Chegando no aeroporto teríamos que pagar excesso de bagagem e excesso de volume. Lá se vão mais uns USD 300. Aí, para pagar 700 dólares no carrinho lá fora e ter o trabalho de carregar esse trambolho de caixa para lá e para cá, achamos melhor comprar aqui mesmo. Por mais que saísse mais caro, não daria tanto trabalho. Mas calma, ainda não estávamos dispostos a pagar os 3 mil, e fomos pesquisar mais.

 

 

- Descobrimos mais algumas marcas que vendem o carrinho modular aqui no Brasil, a Dican e a Bebé Confort. O da Dican é bem bem bem bem mais barato que os da PegPérego, mas a qualidade também é tão inferior quanto o preço. O tecido parece um TNT e minha sensação é que rasgaria tudo em uma semana. Já o Bebé Confort é incrível, super fácil de abrir e fechar, muito leve, fecha bem pequeno, muito bom mesmo. Ele está disponível nas cores preto e vermelho na Alô Bebê, mas vi em azul e rosa em outras lojas também. Só que ele não tem moisés, e o bebê conforto é vendido separadamente. Daí carrinho + bebê conforto do modelo Loola Up sairia por R$ 1990. Ok, já é bem mais barato que o PegPérego, mas resolvi procurar mais.

Foi aí que encontrei o carrinho da marca Cam. Estávamos em uma loja na Zona Norte, a vendedora não sabia nada de nada, e eu fiquei fuçando em todos os carrinhos. Em dado momento eu olhei pra ele e ele olhou pra mim, rs. Eu não tinha visto a marca em nenhum lugar até então (e ainda não conheci um ser que tenha um carrinho igual ao meu, rs), então fui fuçar mesmo, peguei o manual, vi como funcionava, e no fim ele atendia a todas as minhas necessidades. Vinha com bebê conforto e moisés, colchãozinho para moisés, capa de chuva, bolsa, assento regular, dá para colocar o assento de frente ou de costas para mim, as rodas dianteiras giram 360o e travam quando eu preciso travar, ele fecha pequeno... Enfim, tudo o que eu queria. Nas cores preto e azul marinho saía por uns R$ 2200, mas na cor rosa (um rosa antigo liiindo), última peça, tinha desconto de 15% e compramos por R$ 1870, completíssimo!

cam-kolyaska-combi-family-duetto-2-v-1-873-133!Large

Sinceramente, foi um achado. Pode parecer caro à primeira vista, mas foi um investimento muito bom. Ele é prático e realmente atende todas as nossas necessidades. No final do ano fomos passar o Natal na minha avó, que mora no interior, e foi ótimo o carrinho ter moisés, porque Alice dormiu ali, do nosso ladinho. Até completar 1 mês ela só dormiu no moisés no carrinho, que ficava ao meu lado na cama. O bebê conforto encaixa direto na estrutura, e isso é extremamente prático sempre que saio com ela. Quando vamos ao mercado, ao shopping, é uma beleza. Às vezes ela está dormindo e nem percebe que a tirei do carro e que já está no carrinho. Além disso a cor me encantou.

O único detalhe negativo é que achamos o encosto do assento do carrinho muito fininho. Parece que vai doer as costas da bebê quando ela sentar. Então compramos um colchãozinho de carrinho e minha avó costurou na parte de trás do assento. Deu super certo!

Enfim, para o carrinho certamente não há fórmula mágica. Cada um sabe da sua necessidade e do que cabe no seu bolso. Eu estou satisfeitíssima com meu carrinho, que atende tudo o que procurávamos e coube no bolso. Em tempo: a loja em qu comprei não existe mais.  Smiley triste

Grávida e Míope – o que fazer na hora do parto?

Eu tenho 4 graus de miopia e alguma coisa de astigmatismo, ou seja, sem óculos o mundo é uma sombra para mim. Quando fiquei grávida ficava pensando, e agora? Como vai ser na hora do parto? Eu não vou ver nada?

Foi ai que fui perguntar para o meu obstetra como eu faria na hora do parto com a questão óculos e se eu poderia usar lente. Por que eu queria ver a minha bebê nascer!

Ele me explicou que depende um pouco do tipo de parto e do obstetra, mas a maioria permite tranquilamente o uso de lentes de contato ou óculos tanto na cesárea quanto no normal.

Ele só me adiantou que os óculos podem ser um pouco incômodos no parto normal por que a mulher às vezes fica suando e o óculos embaça, mas quem está acostumada já nem se importa com isso né?

Eu uso óculos e lente, acabei optando pelos óculos por que fiquei com medo de ter alguma alergia no olho (fico alérgica a lente com frequência) ou querer dormir na recuperação da cesárea(eu não consigo dormir de lente).

IMG_0229

Foto: acervo pessoal. 

Confesso que o óculos no parto ficou bizarro nas fotos com touca cirúrgica, mas no restante foi Ok. Mas tentar dormir de óculos depois foi meio irritante para mim.

No tempo que passei no hospital e nos primeiros dias que cheguei em casa, ficava o tempo todo querendo ver a Manu e saber se estava tudo bem. Para isso eu precisava dormir de óculos o que era muito chato, nossa, eu só ficava pensando por que eu não tinha feito a cirurgia de miopia rs.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Aprovado! SwaddleMe ou o famoso Charutinho

Logo que Alice nasceu e a trouxemos para casa já começamos a enrolar a pequetita para dormir. Minha mãe achava um absurdo, ficava com dá e tals, mas a verdade é que ela dormiu assim até os 6 meses e meio, e dormiu muito bem! Meu único arrependimento foi ter trazido só um Swaddleme dos EUA, porque com a manta ou com o cueiro ela consegue se soltar, mas com esse trequinho aí é só sucesso.

IMG_4789[3]

Para quem estiver indo fazer o enxoval fora e puder comprar, eu super indico esse trequinho. Mas traga logo meia dúzia, 3 pequenos e 3 médios, porque a gente trouxe um só, e é sempre a maior correria para lavar e passar para ela não ficar sem.

Aqui no Brasil eu só consegui encontrar na Baby Bee, mas achei o preço um pouquinho salgado. Na Amazon custa 8 dólares, e eu paguei menos ainda do que isso no Target.

 

E olhem só a carinha feliz da pituquinha quando já sabia que aa hora do soninho tava chegando.

Cuidando do umbigo do recém nascido

Gente eu conseguia imaginar um pouco como funcionavam as coisas com um bebê, mas os cuidados com o umbigo eram um mistério. Para falar a verdade, eu tinha certa aflição de pensar que teria que cuidar daquele negócio meio esquisito que ficaria ali na barrida da minha bebê.

Umbigo da Manu, um dias depois do coto cair:IMG_1937

Fonte: Acervo Pessoal. 

Mas foi muito mais tranquilo do que eu imaginei. Você precisa ter em mente:

· O bebê não sente dor quando você mexe naquele negocinho pendurado na barriga dele.

· Quanto mais você limpa, mais cedo irá cair o umbigo.

· O umbigo precisa de muita higiene, pois pode causar infecções perigosas.

· Alguém vai ter que fazer e esse alguém é você, então é melhor não ficar aflita.

Com esses pontos em mente, vamos para prática. Como limpar e cuidar?

· O coto umbilical precisa ser mantido seco e limpo.

· Lave sempre suas mãos antes de cuidar do umbigo do seu bebê.

· Limpe o umbigo com álcool 70% e cotonetes a cada troca de fralda. Você deverá embeber o cotonete no álcool e limpar bem em volta do umbigo, mas não do lado de fora, bem na parte interna, tipo um melequinha de tom amarelado. Você vai mexendo o umbiguinho e conseguirá acessar essa voltinha que precisa ser limpa.

· Depois que o umbigo estiver seco e limpo, você pode cobrir com a própria fralda.

· Se a fralda do seu bebê vazar cocô ou xixi, lave o umbiguinho com água e o sabonete de bebê que está utilizando para os banhos e faça ainda a limpeza com álcool.

· Pode ser que saia um pouquinho se secreção amarelada ou de sangue na fralda ou na roupinha (é pouquinho), não se assuste.

· Depois que o coto caiu, se o umbigo ficar saltado, pode ser uma hérnia umbilical, comum em algumas crianças. Os pediatras costumam acompanhar a hérnia, mas não tratar, por que elas acabam voltando ao normal. Caso seja necessária alguma intervenção, o médico normalmente faz após o primeiro ano do bebê.

Você deve se preocupar:

· Sempre que se preocupar rs. Bateu qualquer dúvida, estranhou alguma coisa, fala com o médico do seu bebê.

· Se seu bebê tiver febre e ficar molinho, sem apetite.

· O umbigo ou seu entorno estiverem inchados e vermelhos ou com cheiro estranho.

Com o passar dos dias e do seu cuidado, o umbiguinho vai secando e pronto, um dia em uma troca de fralda ou em uma limpeza ele cai.

Quando tempo o umbigo demora a cair? De 10 a 21 dias depois que o bebê nasce. Fica só uma feridinha que cicatriza em 10 dias no máximo. Você deve ir cuidando dessa ferida do mesmo jeito que fazia com o umbigo, até que ela cicatrize bonitinha. Se o coto umbilical demorar mais do que isso para cair, não quer dizer que exista um problema, mas vale falar com seu pediatra.

Uma amiga me contou que o umbigo do bebê continuou com pequenos sangramentos depois que o coto caiu, ela levou seu filho no pediatra e o médico cauterizou a feridinha.

Gente!!! Muito importante!!! Nunca, mas nunca mesmo coloquem faixas ou moedas, ou qualquer coisa do gênero no umbigo do bebê para evitar que ele fique saltado, é um perigo, podem causar infecções sérias. Se alguém te disser que fez isso e não teve problemas, acredite, essa pessoa teve foi é sorte.

Fonte: http://brasil.babycenter.com/a1500190/como-cuidar-do-umbigo-do-beb%C3%AA#ixzz37Z8qAzyd

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Passo-a-passo: almofadas para o quarto da bebê

Desde que soube que Alice era uma menininha passeia colecionar ideias de coisas que gostaria eu mesma de produzir para o quarto dela. Uma dessas coisas são almofadas em formato de bonecas, para ela fazer de naninha quando bebê e para brincar quando for uma pequena mocinha.

Então logo comecei o processo de comprar tecido branco e transfer, fazer a arte das bonequinhas, imprimir etc. O processo é super fácil.

Primeiro você vai precisar das imagens que quer fazer as bonequinhas. Imprima em papel transfer, com uma boa qualidade. Usei uma impressora fotográfica em qualidade máxima. Depois é só colar o transfer no tecido branco, conforme as instruções da embalagem.

Aí recorta deixando 1 a 2 cm de borda. Eu deixei um pouco mais para fazer a costura. Cortei o mesmo molde em um tecido de poá, combinando com as cores usadas no quarto dela, e costurei tudo. Deixei só uma frestinha embaixo, por onde coloquei o enchimento. Depois fiz o acabamento na máquina de costura mesmo.

Eu AMEI o resultado. E vocês?

Smiley piscando

Banho de Sol – Uma delícia e ótimo para saúde

A Manu começou a tomar banho de sol com 15 dias de vida por recomendação da pediatra. Ela me explicou que o bebê recebe vitamina D pelo leite materno, mas só a exposição ao sol conseguiria fazer com que o organismo dela absorvesse a vitamina. Além disso, ela me disse que a vitamina D é importante para os ossos, pois é ela que sintetiza o cálcio.

Os primeiros banhos de sol foram dentro de casa, pegando algum raio solar que estrasse por alguma porta ou janela. Depois passeávamos de carrinho, sempre seguindo as seguintes recomendações:

· Horário: No calendário normal, somente o sol de antes das 10h e depois das 16h e no horário de verão, antes das 11h e depois das 17h.

· Período do banho: Primeiros meses de 10 a 20 minutos. Crianças maiores podem ficar por 30 minutos. (confirme as orientações do seu pediatra).

· Traje: Ela me pedia para não deixar a Manu só de fralda exposta ao sol, como antes dos 6 meses o bebê não pode usar filtro solar a roupa ajuda como proteção. O ideal é deixar exposto só as perninhas e bracinhos.

· Protetor Solar: Só pode ser usado depois dos seis meses de vida do bebê, mesmo assim é preciso ficar muito atento a possíveis irritações ou alergias, pois a pele do bebê é muito sensível.

IMG_1949 IMG_1999

Fonte: acervo pessoal.


Fonte: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI964-15056-1,00-OS+BEBES+E+O+BANHO+DE+SOL+NA+MEDIDA+CERTA.html

Massagem no Bebê

Mais um post da nossa especialista em massoterapia Natália Frazzato. Dessa vez o tema é a massagem no bebê. Eu sou uma fã de carteirinha das técnicas de massoterapia e usei na Manu até mais ou menos seus 10 meses.

Aprendi a fazer a Shantala e todos os dias no comecinho da noite eu fazia a massagem na Manu. Ela não gostava de algumas posições no começo, mas foi pegando gosto e adorava ficar ali recebendo um carinho. Eu sempre terminava com um banho no estilo “ôfuro”, ou seja, colocava a minha gorducha em um balde com água morna e ela simplemente adorava. Depois era mamar e dormir!

Post da nossa especialista:

Olá! Meu nome é Natália Frazzato. Sou formada em Educação Física e Massoterapia. Atuo na área da massagem há nove anos e ministro aulas sobre o tema,  uma das minhas áreas de atuação são os bebês e hoje irei explicar um pouco da massagem para eles.

Muitas vezes, mesmo que inconsciente as mamães, papais, avós acabam massageando o bebê sem perceber, principalmente naqueles momentos da cólica. Você sabia que existem massagens exclusivas para eles?

As mais famosas são:

  • Shantala - uma massagem que veio da Índia e que é muito praticada nos bebês.
  • Toque da borboleta - menos famosa, mas não menos importante, também desenvolvida para estimular os bebês.

A diferença entre elas é que a Shantala é uma massagem indiana, utiliza-se de óleo e tem uma sequencia de manobras um pouco mais vigorosas, já a Toque de Borboleta, não necessariamente utiliza-se de óleo e é ocidental.

Ambas possuem benefícios como:

- melhora da circulação

- aumento da amplitude articular

- alívio da cólica

- acalma

- estimulo do desenvolvimento (cognitivo, afetivo, locomotor).

Na internet há vários vídeos, fotos, explicações de como aplicar a massagem, mas ainda prefiro indicar um profissional que atue com a massagem para bebês e acompanhe os pais, verifique se estão fazendo os movimentos corretos, posicionamento de mãos e intensidade do toque.

O papel do terapeuta é de ensinar aos pais a massagem, pois a fundamentação é criar um vinculo entre o bebê e os pais, através da troca de carinho, olhares e afeto.

Não podemos esquecer, que toda massagem há contraindicações, como:

- febre

- resfriado

- infecções

- diarreia

Quando pode começar a fazer? A partir do momento que cai o umbiguinho, mais ou menos, depois do primeiro mês, até quando o bebê sentir-se confortável com o toque, mas pode ser realizado até aproximadamente 2 anos.

Mas lembrando, devemos sempre respeitar o bebê, se ele não quer receber nas costas, não faça. Se ele acha confortável na barriguinha e nos braços, é onde iremos aplicar as primeiras sessões, com o passar do tempo, o bebê irá acostumar com o toque e irá pedir cada vez mais.

Com um pouco de orientação fica muito fácil aplicar a massagem em seu bebê, tanto o papai quanto a mamãe poderão curtir esse momento com o seu filho. Confira algumas fotos de uma sessão de massoterapia que coordenei:

Miguel 1 Miguel 2 Miguel 3 Miguel 4 Miguel 5 Miguel 6 Miguel 7 Miguel 8

Fonte: Acervo pessoal dos papais Renata Franco e André Frazzato.

Pontos importantes:

- Ao utilizar óleo, sempre óleo vegetal, prensado a frio, ou seja, o mais natural possível, para não gerar alergia no bebê. Óleo de Uva, Coco, amêndoas são os mais indicados.

- Aplicar antes da mamada, mas não muito próximo, pois não pode estar com fome.

- Separe uma fralda, ou mantenha o bebê de fralda, pois pode ser que durante a massagem o intestino e a bexiga funcionem.

- Mantenha-se focado no bebê durante a massagem, sempre olhar no olho, estreitando mais o vínculo.

- Quando já estiver acostumado com o toque, a duração dever ser no máximo de 30 minutos, mais do que isso fica cansativo.

- No verão, pode ser feito ao ar livre, mas em dias frios, fazer em um ambiente aquecido, ou com roupa.

- Logo depois da massagem, dar um banho, pois auxilia no relaxamento final.

- Quem for aplicar a massagem deve estar sem relógio, anéis, pulseiras, nada que possa vir enroscar ou machucar bebê, e dê preferência para unha bem curta.

- Se durante a massagem o bebê começar a chorar muito, é que ele está incomodado, então pare com a massagem, e procure investigar a queixa.

Há diversas pesquisas que demonstram os benefícios da massagem tanto para os bebês quanto para os pais.

Então o que você está esperando para começar? Tenho certeza que seu bebê irá adorar.